Ciúme: atestado de egoísmo

Rodolfo Viana

por
em às | Artigos e ensaios, Sexo


Para Mariana Terin,
que me ajudou a construir esta visão

O ciúme é uma azia que arde na alma.

Ciúme: atestado de egoísmo

Paradoxo: arde a alma, mas há o frio na barriga

É aquela sensação de perigo iminente, de ameaça ao que lhe “pertence”. Li aqui uma definição bem interessante provida pelos psicólogos israelenses Ayala Pines e Elliot Aronson:

“O ciúme é o complexo de pensamentos, sentimentos e ações que são provocados por ameaças à existência ou à qualidade do relacionamento que são gerados pela percepção da atração, real ou potencial, entre o parceiro e um rival (imaginário ou real).”

Certa vez, uma amiga me perguntou o que era ciúme. Respondi algo que deu origem a este artigo:

“O ciúme é o mesmo sentimento de alguém que come o último pedaço de pizza que você tava guardando pra depois. Só que mais elevado. “

Em trocados, é o medo que lhe tomem o que supostamente é seu. Ou melhor, é o receio de que o que supostamente é seu queira ser roubado.

Tomemos um cenário comum: o celular dela toca. É uma mensagem. Ela lê o SMS e esboça um sorriso. Você fica com ciúmes pensando que pode ser um outro cara. E talvez seja. Talvez ela queira mesmo sair com outro homem e gozar. Talvez ela não tenha mais amor ou tesão por você, e o relacionamento esteja no fim.

Sentir ciúmes vai fazer com que o suposto tesão dela pelo outro acabe? Vai fazer com que “ela entre na linha” e não mais fale com o sujeito? E se fizer, você não está sendo demasiadamente egoísta ao privar uma mulher – que hoje é sua namorada, mas que amanhã pode ser apenas lembrança – de algo que ela acredita que a deixará mais feliz?

Perceba que o ciúme está basicamente ligado a duas coisas: 1) o sentimento de posse, e 2) a privação de desejos alheios. E as duas coisas nascem do seu orgulho. O artigo “O seu namorado abusivo” tem um trecho que reflete bem este orgulho e a maneira como ele age:

“Ele tomaria um tiro por você instintivamente, mas se outro cara te disser, despretensiosamente, que também gosta de pop-art ou elogiar seu cabelo, então pelos próximos meses você será sutilmente persuadida de que pop-art é uma fraude e o quão mais bonita você ficaria de cabelo curto.”

A verdade, por mais que soe clichê, é uma só: você não é dono da sua namorada. Ela não é sua posse. Ela não é de ninguém. Ela é um ser humano autônomo, singular, com desejos, que anseia sobretudo a própria felicidade. E não há nada de errado nisso.

Ciúme: atestado de egoísmo

Se você sente ciúmes da sua mulher, a culpa é sua, não dela.

E não, ciúme não é “prova de amor”. É apenas atestado de egoísmo.

E não, ciúme não é bom se for “só um pouquinho”. É simplesmente corrosivo.

É possível abolir o ciúme?

Sendo a origem do ciúme o sentimento de posse (inclusive a posse de qualquer coisa que a deixe feliz), nada mais óbvio que implodir esta sensação e adotar para si o desapego, o pensamento de que, se você ama alguém, você quer ver este alguém feliz – ainda que não seja ao seu lado.

“Se eu namoro você, quero te ver feliz. Se você disser que ficará feliz dormindo com um carinha avulso que achou sexy e tal, como eu posso dizer não? Eu consigo saber e compactuar com o desejo da minha mulher de transar com outro, mas fico mal se ela troca mensagens de celular secretamente com outro cara.”

Acredito que o conceito de traição deve ser revisto, também. Afinal, nesta visão eu-te-amo-e-te-quero-feliz-mesmo-que-sem-mim, a traição apenas ocorre quando não há sinceridade. Quando  comunicação falha. Quando uma das partes não consegue verbalizar ou demonstrar o que deseja.

Às vezes, não trair alguém é trair a si mesmo.

Eu tive uma namorada na época da faculdade e, numa das conversas, fui bastante claro: disse que se ela se apaixonasse por alguém e quisesse transar com outro cara, que apenas me avisasse para que pudéssemos fazer disso algo legal para todo mundo. Ela achou aquilo absurdo; eu achei aquilo a maior prova de amor.

Não há bom senso maior que se devotar à felicidade daquela(e) que ama. Seja esta felicidade qual for.

Pê-ésse musical: escrevi este artigo ouvindo Blubell. Não tem nada a ver com o tema do artigo, mas recomendo a audição. Seguem duas músicas bacanas do último álbum, Eu sou do tempo em que a gente se telefonava. De nada.

Rodolfo Viana

É jornalista. Torce para o Marília Atlético Clube. Gosta quando tira a carta “Conquiste 24 territórios à sua escolha, com pelo menos dois exércitos em cada”. Curte tocar Kenny G fazendo sons com a boca. Já fez brotar um pé de feijão de um pote com algodão. Tem 1,75 de miopia. Bebe para passar o tempo. [Twitter | Facebook]


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • Rodrigo Cambiaghi

    Quanto mais eu leio o PapodeHomem, mas me convenço de que o negócio é ter relacionamento aberto.

    • http://twitter.com/lucianoandolini Luciano Andolini

      Nem relacionamento aberto, Cambi.

      Se mantivermos a mesma forma de operar, baseando os relacionamentos em posse, na toda suprema “minha felicidade”, a grande pica da vida acaba descobrindo novos meios de nos foder de jeitos nunca antes imaginados.

      Aqui nós temos um buraco muito mais profundo do que parece.

  • Sabrina

    Bom… se vc gosta dos seus relacionamentos abertos é uma particularidade sua ,mas n qer dizer q vc nao deva respeitar quem gosta do outro mais “particular”.

    • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

      Aponte no texto uma única frase em que eu falto com respeito para com quem prefere um relacionamento, digamos, convencional e eu te dou um presente.

      Ou melhor: aponte no texto uma única frase em que eu digo que tudo isso se aplica apenas a relacionamentos abertos.

      E se o nome de privilegiar a felicidade alheia é “relacionamento aberto”, sou adepto. ;-)

  • RafaelSantos

    Quanto mais eu leio o PapodeHomem, mas me convenço de que o negócio é polemizar. Da tão certo que eu to aqui comentando e gerando page views ;)

    • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

      Algumas verdades soam polêmicas porque todos preferem mantê-las ocultas, distantes. ;-)

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        Uma opinião forte não se estabelece como verdade, Rodolfo. Nem a sua, nem a minha.

      • Dado Teles

         Algumas verdades suas, meu caro. Apenas verdades suas…

      • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

        Acrescento ainda, que algumas verdades fedem.

      • http://www.facebook.com/arthur.s.mendonca Arthur Silva Mendonça

        a verdade é verdade até que apareça alguém com uma verdade mais verdadeira, não ?

      • Luciano

        Concordo. Porém, a verdade é que o ciúmes existe, o orgulho também e faz parte do ser humano.

        Para alguém que ama, a possibilidade da namorada vir dizer que quer transar com outro cara é mais traumático do que ela efetivamente transar.

        Esse é o ciume, ele sim é aberto, cru e exposto. Já o consentimento com a verdade é oculto e distante, porquê o amor simplismente nos tira da razão, e clichê, agimos com o coração.

        Mas se a felicidade em plenitude é mais fácil de se atingir vivendo sem egoísmo e orgulho, devemos reprogramar o cérebro humano para não se apaixonar. Já passaram tempos e  filósofos e psicólogos apenas tem discernimento sobre as reações e conseguem expor isto de maneira bem didática , assim como seu texto, mas não conseguem mudar a forma de pensar dos ciumentos !

        Quem dera pudéssemos foder a colega gostosa que nos dá mole e compartilhar com nossas mulheres sem qualquer surto.

  • Igor Silva

    Achei mt bom o texto, era quase tudo que eu pensava, eu tenho amigos que namoram que são ciumentos demais !! e falam que fazem parte do namoro, que namoro tem que ter ciume eu não concordo com isso é muito egoismo é muito prender alguem, pra terem noção do nosso circulo de melhores amigos que são mais ou menos uns 6, 4 namoram ninguem conhece a namorada de ninguem só por foto, porque ninguem pode sair com os amigos por causa do ciumes nem junto e nem sem as namoradas, eu tenho esse pensamento de ciumes é muito egoismo e minha ultima namorada reclamava tanto de eu não ter ciumes dela que enxia o saco, é que nem o exemplo que o autor do texto deu as pessoas acham moh absurdo não sentir ciumes ou dar tamanha liberdade pra uma pessoa, no fim parece que ninguem quer uma relação sem ciumes pq acham que se nao tiver a pessoa nao sente nada por ela ou não a ama é o que mais ouço. 

  • Frederico Mattos

    Quanto mais eu leio o PapodeHomem, mas me convenço de que o negócio é abrir-me num relacionamento.

  • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

    “Se você sente ciúmes da sua mulher, a culpa é sua, não dela.
    E não, ciúme não é “prova de amor”. É apenas atestado de egoísmo.
    E não, ciúme não é bom se for “só um pouquinho”. É simplesmente corrosivo.”

    Talvez a culpa seja do parceiro sim. Tem gente que se põe a prêmio, gosta de testar a segurança do parceiro. 

    Não chamo de egoísmo querer construir uma relação que não beire à indiferença. “Ah, vc quer comer outra? Poxa vida, sem problemas, seja feliz!”. Não, porra. Não aceitaria nesse nível. Essa “modernidade” nos relacionamentos está matando o romance. 

    E o ciúme pode vir em gradação mínima também. Não há quem não sinta. Que mal há em sentir medo de perder a companhia do outro? É até bom pra dar valor. Ter no íntimo a sensação de que a pessoa ao meu lado tem um conjunto de qualidades que favorece o meu crescimento pessoal. Do contrário, somos apenas trocas de fluidos.
    Qualifica como objeto/propriedade quem tem uma visão rasa de relacionamento.

    Eu sinto medo e pena de ver uma rotina gostosa ser destruída, de perder o bom sexo, o cara que acima de tudo é meu amigo (do contrário, não seria meu namorado). Por isso as relações de hoje em dia têm duração relâmpago. A cada dia eu me vejo mais doutrinada a não me importar, e isso sim me corrói. As pessoas estão se privando de experiências mais profundas fazendo pouco do que é “tradicional” por medo de sentir dor. Pois que doa.

    • Rodrigo Cambiaghi

      Se a minha parceira se põe a prêmio pra testar minha segurança, ela provavelmente se sente insegura comigo ou no relacionamento. Logo, a culpa é minha.

      Ou então, ela precisa amadurecer um pouquinho mais para conseguir se relacionar com alguém de maneira saudável.

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        concordo, mas penso que costuma ser o caso da 2ª opção. coisa dela (e). “olha como eu sou desejada(o) e vc pode me perder a qualquer momento”. 

    • http://www.facebook.com/rafael.allegretti Rafael Allegretti

      Perfeito, Marcelle! Muito bom mesmo! Essa é exatamente a mesma visão que eu tenho.

      E digo mais, o Rodolfo em certos aspectos confunde ciúmes e insegurança, as duas coisas podem ser bem parecidas, mas não iguais. Ciúmes é saber que você se garante, que sua parceira te ama, que ela é fiel e você confia nela; mas mesmo assim não se sentir a vontade de um amigo da faculdade ir fazer trabalho com ela na casa dela. Insegurança é morrer de medo que ela esteja dando para o amigo da faculdade. Eu sou 100% autoconfiante, muitos amigos dizem que beira a arrogância, e mesmo assim sou ciumento. O ciúmes é irracional e se a outra opção para se livrar dele é esse desapego, prefiro continuar ciumento.

    • Luciano

      Isto renderia um bom texto , assim como rendeu o do Rodolfo, assim como renderia o texto de um ciumento.

      Somos todos diferentes, afinal, que graça teria se todos pensássemos igual?

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        Como eu disse ali em cima, Luciano, nenhuma verdade é absoluta.

        Beijo

      • bruno

        Toda verdade é absoluta, por isso só há uma verdade.
        O que ocorre é que saber a verdade,de forma absoluta, é algo que não pode acontecer.

    • http://www.facebook.com/naninha Ariana Mendonca

      E até acho que ciúme seja só corrosivo, sim, mas concordo com você. Todo mundo sente, ainda que não faça alarde. Eu tenho o costume de só reclamar de algo quando vejo que a iniciativa está vindo do meu parceiro. Ou que ele parece corresponder às iniciativas recebidas… Se eu estiver por perto, basta que eu chegue junto, dê um abraço, sem reclamar, sem fazer nada.. 

      Eu só acho que o ciúme é egoísta quando ele inclui outros aspectos de relacionamentos… Como, por exemplo, o futebol, as saídas sozinho, o barzinho com amigos, ou até mesmo amizades com mulheres… Isso eu acho egoísmo. Acho que não nascemos grudados e cada um pode e deve ter seu espaço, sua rotina alheia ao casal… E também acho egoísmo quando sentimos ciúmes de alguém que não está mais conosco.. Aí, sim, eu acho que se aplica a frase do Rodolfo falando que quem ama quer ver o outro feliz. E qualquer sentimento além disso é somente a posse manifesta. 

      Mas no quesito do sexo? Ahhhh não! Também não dá pra mim! Isso é meu, é posse, é egoísta, mas ouvir que meu parceiro quer sair com outra é, pra mim, atestado de que eu não estou sendo boa o suficiente neste aspecto. As amizades masculina e feminina, outras coisas e diversões eu sei que eu não tenho como fornecer e encorajo meus parceiros à buscá-las, mas a satisfação sexual deve vir de mim e somente de mim.

      E quanto à culpa, eu concordo, eu acho que, exceto em casos de pessoas que tem aquela atração patológica por novos relacionamentos o tempo todo, a culpa nunca é unilateral e que a traição é uma consequência de um relacionamento decadente… 

      E essa sua frase: ”
      A cada dia eu me vejo mais doutrinada a não me importar, e isso sim me corrói ”, nossa, não poderia concordar mais! Que saco isso de ficar se policiando o tempo todo, pensando no que pode ou não estar rolando, tomando N cuidados pra não se envolver demais, pra não pular etapas, mas que etapas? A impressão que tenho é que cada vez mais as interações se resumem a mera troca de fluidos mesmo e que quase ninguém está interessado em muito mais que isso. Pena, pena mesmo. 

    • Caupulican Moura

      Acho que a liberdade é o principal fator que corrói os relacionamentos. Manter uma vida social sem o parceiro é bom até que ponto? E até qual ponto pode-se incluir o parceiro dentro de sua vida social? Creio que há de ter um equilíbrio.

      Assim como a emoção é o que nos torna humanos e não serial killers, que são puro racional, vejo o ciúmes como algo natural ao amor, que deve ser mantido em dose equilibrada. Mas ai vem sempre a pergunta: Qual é o equilíbrio?

      Como não se pode definir o amor, também não acho que possa se definir o ciúme, porque é parte do amor. Só sentimos ciúmes de algo ou alguém com o qual nos importamos em grande ou pequena quantidade, que temos um laço sentimental para com o objeto vivo ou não.

      Como o @facebook-646941368:disqus disse: “ciúmes é um sentimento, não é racional.” Por esse fator, tentar atribuir regras tem o mesmo peso de tentar matar um sentimento, como a paixão/amor/desejo que nutrimos por alguém.

      Enfim, gosto do ciúme como uma forma de confirmar que realmente me importo com a pessoa. Vejo que a diferença entre amor e simples desejo reside no fato de o quanto nos importamos, e o quanto sentimos ciúmes em nivel saudável. O fato de querer a pessoa somente para nós, já não passa a ser amor e sim puramente egoísmo. Creio que foi esse o ponto que o Rodolfo Viana apontou nesse texto, em algum lugar ao meio das entrelinhas.

      • bruno

        Respostinha boba a sua.
        Psicopatas não são inteiramente racionais, são muitíssimos emocionais, somente não sentem compaixão pelos outros – entretanto, outras emoções são bastante evidentes em alguns, como raiva e medo.
        Amor pode sim ser definido, assim como o ciúme.
        Não existe ciúme saudável, ele é, como dito pelo autor, demonstração de possessividade – uma falha.

      • Caupulican Moura

        Já foi comprovado por várias pesquisas que o cérebro dos serial killers, como o maníaco do parque e hannibal (apelei nesse último), possuem um cérebro diferente. Basicamente, são incapazes de processar emoção. Porém são muito bons atores, inclusive até melhores que as pessoas normais ao fingirem emoção, por isso passam despercebidos dentro da sociedade.

        Até hoje não encontrei pessoas, ou autores, que colocassem em palavras suficientes o que é o amor e o que ele representa como sentimento, já que cada pessoa ama de uma forma totalmente diferente, em graus diferentes. Por isso creio que não pode ser definido, por enquanto. Afinal, desconheço o futuro.

        O que fazemos até agora, é falar sobre o comum à todos que é o amor. Mas não há regras para ele e se houvesse, já teríamos largado dele, como o fizemos com todos os nossos brinquedos quando crianças – uma vez que os dominamos por completo e os conhecemos de cabo a rabo, acabou a surpresa.

      • GIL

        Serial killers é puro racional? Nenhum ser humano cometeria crimes sem sentimentos… Todo crime é baseado em prazer(no caso dos psicopatas),amargura.,raiva, sentimento de humilhação tudo sentimento negativo…. Uma pessoa sem sentimentos jamais sentiria raiva,humilhação,prazer em matar,dor por perder dignidade,tudo isso é sentimento e emoção…Existem dois tipos de sentimento os bons e ruins…um mata e outro possui compaixão… a racionalidade é neutra não mata nem ama.
        Não diga que psicopatas são racionais se fossem não matavam…Racionalidade não comete atentado contra vida.

    • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

      “Não chamo de egoísmo querer construir uma relação que não beire à
      indiferença. “Ah, vc quer comer outra? Poxa vida, sem problemas, seja
      feliz!”. Não, porra. Não aceitaria nesse nível. Essa “modernidade” nos
      relacionamentos está matando o romance.”
      falou tudo, concordo com tudo, pq pelo andar do texto, “trair”, ir beijar outro cara é uma coisa normal, é só avisar e falar “pode ficar com alguem tbm”, Porra não é assim não, compromisso é coisa seria, se quer levar um namoro assim é melhor não namora porra, parem de querer deixa o namoro mais “moderno”, se vcs querem ter direito de ir pra balada e beijar alguem ok, mas faz isso solteiro, namorado/namorada não tem que tolerar isso e não ter ciumes, não, nem fodendo.
      quando da pra ter texto Ridiculo sobre ciumes aqui e no blog “casal
      sem vergonha” é foda, querem deixar tudo moderno, namoro sem ciumes, com swing e menage liberado -.-”
      pronto, Falei.

      • Luiz Paulo

        Concordo plenamente cara.
        Egoismo? Sua namorada/mulher/noiva virar pra voce e falar que vai ficar com outro e voce nao dizer nada é egoismo?
        Olha nao é porque voce pegou o sentido da palavra egoismo e fez uma brain storm em cima dela, e chegou a essa conclusao que isso seja certo.
        Eu sinceramente duvido que seu relacionamento seja assim.
        Por isso concordo com o rapaz a cima, essa “modernidade” pra nao dizer “putaria” se existe, é bom você rever esse relacionamento, porque algo de errado tem ai

      • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

        “algo está errado aí.”
        obrigado, luiz paulo, por me dizer exatamente o que eu devo fazer do meu relacionamento. não sei o que seria dele sem sua opinião.

        ps: curiosamente, todos os que dizer que um relacionamento assim é impossível, que não existe este grau de desapego nunca tentaram. afirmam algo que não sabem apenas para sustentar velhos discursos, velhas ideias… (e que muitas vezes se mostram furadas).

      • Victor Vieira

        “algo errado”? Acredito que um relacionamento deva se adaptar às vontades dos que fazem parte dele e não a um padrão pré-estabelecido por externos (ex: sociedade).

      • ka

        tbm amei sua resposta…

      • Ronald

        O combinado não é caro…

      • ka

        admirada com a opniao de voces garotos…

      • Natália Magno

        Também fiquei. Talvez seja porque o texto fala de mulher traindo homem. Se fosse ao contrário, seria justificável, porque mulher dá motivo pra ser traída, ou porque é da natureza do homem… blah blah blah
        Também achei o texto um pouco exagerado, pois é impossível não sentir um pouco de ciúmes. Mas prefiro esse estilo do que ser traída e não ficar sabendo, e continuar ali feito boba. Já vivi e ouvi histórias o suficiente pra saber que até aquele/a que você menos espera e que arrota santidade trai. Ficar na neura de sentir ciúmes, cobrando e tal, não adianta nada. Porque o ser humano é feito de vontades e uma hora vai sair da linha. Acho que basta um acordo entre os dois. Se a pessoa ama alguém dificilmente vai sentir necessidade de estar com outra. E se sentir é melhor que satisfaça com o outro sabendo. Aí a confiança não se quebra.

      • ka

        tirando seus palavroes ..gostei…!

      • Luiz Eduardo Martins

        eh, eu não procuro escrever bonito sempre, eu falo palavrão, então escrevo como eu falaria na real, eu não suporto gente que não fala palavrão, e tem “mimimi” quando alguém fala, parece pessoa chata que nunca deu risada e falou palavrão, mas enfim, obrigado por gostar do que falei :)

      • ka

        Luiz nao foi minha intenção te ofender, e julgamentos nao é comigo, cada um se comporta e fala da forma que lhe convém e se sinta bem, isso nao quer dizer que quem nao fala palavrões e nao gosta dos palavrões , seja uma pessoa chata e infeliz, está equivocado com o q pensa a este respeito. Nao mudo minha opniao sobre o que colocou no texto anterior. abços

    • pauloolivieri

      Mas se o seu namorado é, acima de tudo, seu amigo, por que haveria você de perder sua companhia caso ele corresse a pastar por outros relvados? Talvez a amizade não continuasse mais no nível orgânico que fora, mas a amizade teoricamente deveria sobreviver, certo? Deveria, não fosse o modelo jurídico dos contratos estabelecidos nas relações atuais. Vem o ciúme, vem a traição, vem o fim e não sobra nada. Tinha amizade na história mesmo ou só a posse da genitália alheia?

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        Você continua amigo de quem te trai? Inovador, mas não é pra mim.

      • pauloolivieri

        Pois é. Aí é que eu acho que entra a falibilidade da relação tradicional. Como o texto propõe (e não que eu concorde, tem até um texto meu encaminhado pro site sobre o assunto), se tudo dentro de uma relação íntimo-amorosa fosse exposto como numa amizade – e partimos do princípio que a amizade é a base dessa relação -, a traição deixaria de ser uma traição. Ou eu teria que considerar meus melhor amigo do 1ª ano científico um traidor pelo fato de não andar mais comigo no 2º ano? Porque as pessoas são mutáveis demais, é exigir demais dela que permaneça inalterável pro resto da vida a partir daquele primeiro beijo. Porque uma ‘transferência de amizade’ (encaremos assim) não pode funcionar da mesma forma numa relação? Essa posse eu acho nociva, sim. Inovador? Talvez. Não sei nem se é pra mim, acredito que não. Mas eu acho que seria o correto. Machucaria menos para qualquer lado. Temos que lembrar que a monogamia é totalmente contra a natureza humana, como a de qualquer outro animal. A diferença está no nosso cérebro, que criou a sociedade como ela é hoje, com regras e cartilhas. Mas, por exemplo: uma ex minha que me traiu (e a gente não acabou por isso. E nem sei se foi só uma vez. Mas tanto faz, porque também traí ela), hoje é uma das minhas melhores amigas. É como se a gente tirasse um peso dessa responsabilidade de precisar seguir à risca os padrões de convivência. “Ah, tu me traiu? Ufa! Eu também!”, e acabam aqueles sentimentos velados de culpa e blablabla. Eu não discordo de você porque eu faço como você falou acima. Mas queria poder discordar na prática.

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        Sinceramente, eu estou feliz tanto com as minhas práticas, quanto com as minhas teorias. Não é o que de fato importa?
        Beijo

      • http://casualidadesdistorcidas.blogspot.com/ Paulo Oliveira

        Sim, é o que realmente importa. Não há fórmula para isso. Vai ver eu é que não estou. Beijo.

    • Fernanda

      Nossa, vc falou e disse. É muito politicamente correto dizer “transe com quem vc quiser, saia com quem vc quiser, a vida é sua” Mas e daí? Quando agente gosta/ama de uma coisa agente não quer perder, muito menos dividir com ngm. Seja seu cachorro de estimação, a mãe, pai, etcs.. pior ainda namorado. É claro que o ciúmes tem que ser dosado, ate concordo que o ciumes apimenta a relação. Mas é realmente isso que vc falou… vc fica indiferente a pessoa, é como se fosse “ah eu to namorando com vc, te amo, mas faz o que vc quiser a aí, problema seu, a vida é sua”. É muita frieza, e insensibilidade.

    • Vinnycius

      Nossa.. Perfeita sua resposta!

    • Marcelo Tyr

      Um adendo. É um sintoma de insegurança e dependendo da medida grave. Depois de uns romances que nem me abalavam e por um mais intenso isso ficou claro pra mim. O que fazer? Domar esse cavalo bravo, analisar (ou tentar ao menos) entender de onde vem. Se é cisma sua, domine e se a fonte for o(a) parceiro(a) querendo chamar a atenção descubra o porque.
      O texto é excelente, mas não concordo com muita coisa. Referiu-se muito aos ‘elas’, pois bem o inverso é proporcionalmente maior se querem saber. Ninguém esta livre desse ‘Yago’ maldito que fica soprando em seus ouvidos a duvida e a discórdia.

      _ Onde você vai?
      _ Escovar os dentes.
      _ Por que?
      _ Oras, acabei de comer!
      _ COMEU QUEM????

      Entenderam?

  • Dado Teles

    Quem nunca sentiu ciúmes de alguém/algo, que atire a primeira pedra.

  • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

    Olha … acho que o texto tem um bom fundamento … mas não vejo como algo natural. Principalmente quando falamos de casamento.

    Acho que se minha mulher ficar completamente indiferente quando eu falar que quero comer outra mulher … nesse ponto ela estaria demonstrando que nosso amor … que nossa união … que nosso desejo, já não são mais como antes. E se é assim … melhor nos separarmos. Só que não se constrói uma vida toda ao lado de alguém, para simplesmente abandoná-la só pq fiquei com vontade de dar uma pulada de cerca com a vizinha gostosa.

    Na minha concepção de união … e para mim essa união não precisa de um nome e sim de uma vontade e respeito mútuo … seria o relacionamento em que cedem em prol da felicidade do outro. Há um equilíbrio … um tênue linha em que nos equilibramos com carinho. Nessa linha conduzimos a felicidade. E quando digo ceder … digo em tudo. Nos programas de TV … nas comidas prediletas … na música do carro … nos filmes do cinema. Tudo passa a ser compartilhado e por isso deve haver um comprometimento. Se todo o momento que houvesse discordância ela ou eu cedessemos para que o outro seja feliz … um estaria desistindo da felicidade. E relacionamento está muito distante disso.

    Alguns momentos e emoções … só se tornam demasiadamente fortes quando compartilhados com a pessoa que se ama.

    Gostei do texto Rodolfo … mas não compartilho da sua visão de relacionamento e ciúme. 

    • Dado Teles

      Grande Wagner!

      • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

        Pooooo … nem sou …

      • ka

        vdd

    • gilmarsouzafilho

      Pode ser que não ter ciúme realmente não seja natural. Assim como o casamento, o namoro, o noivado também não são naturais. 

      Natural é se relacionar, o resto é tudo criação. Se é criação, porque não aproveitar para criar relacionamentos sem ciumes? 

      • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

        Ciúme é algo tão natural que até animais respondem a esse tipo de interação. Casais monogâmicos, como os pinguins,  não admitem que sua parceira seja flertada por outro, tendo atos violentos para defendê-la. Em mamíferos como os leões, os chamados reis da floresta, se alguma fêmea é aliciada por outro macho solitário, o macho ALFA, defensor do seu território, irá brigar por sua fêmea e atacar esse macho até um dos dois morrer ou um deixar o território. Tenho inúmeros outros exemplos para lhe dar. A defesa de algo conquistado é natural … cabe a nós enxergar o que é um ciúme bobo e o que é radical e doentio. 

      • gilmarsouzafilho

        Cara, seu argumento não é valido. Pois, existem animais que protegem seus parceiros com você sitou, e existem animais que não.

        Como você deu 3 exemplos, deixo 3 contra-exemplos:  algumas espécies de aranhas, algumas espécies de mosquito e nosso queridos cães.

        Cada espécie dessa tem suas características bem definidas e que não abrem margem para que a liberdade de animal as modifiquem. Porém, os humanos podem criar seus costumes da forma como bem entenderem. Você pode tomar a decisão de criar um relacionamento com ou sem a “defesa de algo conquistado”, porém uma aranha ou um pinguim não são capazes de fazer isso.

      • http://www.facebook.com/leonardofratini Leonardo Fratini

        E a espécie humana tende a sentir ciúmes. Pronto, amigo.

      • ka

        nossa eu nao tinha pensado em analisar por este angulo tao mais ampliado.., legal…

      • Dado Teles

         Grande Wagner de novo! hehehehe!

      • ka

        concordo..até pq tbm fiquei sabendo que especialmente os homens quase em geral,..pela sua propria natureza tem sentimento de posse mesmo por suas parceiras.., se eu estiver errada, me corrijam…

      • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

        AMIGO … eu não vou nem citar os dois primeiros exemplos. Aracnídeos e Insetos não possuem cuidado parental e suas estratégias de reprodução são outras … daí o número enorme de filhotes. Eles sabem que não vão cuidar da cria … assim como não cuidam das fêmeas. Somente alguns insetos sociais (abelhas, cupins e vespas) tem cuidado parental e também lá há ciúme e disputa pelo parceiro sexual.

        Quanto aos cães … vc está enganado. O cão não tem como decidir com qual macho a cadela irá copular ( assim como nós), porém a disputa  é cruel entre eles, feita a escolha, esse cão irá defender sua fêmea e seu filhotes com todo o seu CIÚME !! Experimente por exemplo chegar perto da fêmea quando ela estiver amamentando? Vc verá um macho cheio de irá !!

        Entendo que podemos mudar esse conceito … mas para mim … ter um relacionamento e não desejar a cumplicidade e a entrega … visando uma condição de aceitação mútua e saudável, nada mais é do que fuga por processos de rejeição ou por ser incapaz de se comprometer fielmente à alguém !!

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        putaquepariu, meus amigos. Vocês tão de sacanagem discutindo a reprodução e a dinâmica de relacionamento das aranhas, né? bora passar lá no artigo sobre ex-namoradas do povo do PdH. Divertidíssimo!

        beijos a todos

      • ka

        rsrsrsrs

      • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

        Ok Marcelle … aceito a bronca e vou ler o artigo que recomendou !! Definitivamente ficar discutindo estratégias de reprodução e cuidado parental são para outro fórum !!

      • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

        sem duvida =)

      • ka

        adorando sua colocação…..

    • ka

      sua mulher é uma mulher de muita sorte! ….

      • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

        Sendo muito sincero … acho que o cara de sorte sou eu !!

  • RafaelVirmond

    Nossa…

    “E não, ciúme não é “prova de amor”. É apenas atestado de egoísmo.
    E não, ciúme não é bom se for “só um pouquinho”. É simplesmente corrosivo.”
    Não é prova de amor, é atestado de egoísmo, realmente. Já tive problemas com isso, no sentido de, por não ser ciumento reclamarem. Como se só pelo fato de eu não puxar a menina quando outro cara estava falando com ela fosse fazer eu gostar menos ou desgostar dela e afins.
    É uma pena que meninas são ligadas, muitas vezes, nisso. Conheço caras ciumentos também, possessivos, e sempre percebo que os relacionamentos pautados nesses sentimentos são fadados ao insucesso. 
    Enfim, sensacional o texto, tá de parabéns.

  • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

    Cara, não só não é utópico como é a minha realidade.
    E você é quem se permite sentir desconforto.

    • Luciano

      Acredito em suas palavras.

      Mas para alguns é mais difícil não sentir o desconforto.

  • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

    “firmar um compromisso”?
    cara, relacionamento não é vender a alma.
    coisas começam e coisas terminam. as pessoas são únicas e primariamente buscam para si a felicidade. se a garota está contigo, mas um outro cara mexeu com ela, quem é você para dizer não? e se ela sair com o cara, o amor que você sente pela garota simplesmente se apaga como se nunca tivesse existido?
    não funciona assim.
    e sim, dá para evitar o ciúme. e eu digo isso por experiência própria.

    • TatieleGiacomin

      Rodolfo Viana, acho que o amor não apaga quando ela resolve sair com outro, ao meu ver ele nunca existiu.
      Eles podiam ser apaixonados, amarrados, conectados, mas não era o amor. Ela não se interessou por outro? Não ficou confusa com o que sentia? Aí cogitou que essa paixão fulminante por outro vale mais que o “amor” pela namorado, ou que o sofrimento dele não se equipara com a felicidade que ela vai sentir ao provar essa nova emoção e ainda quer que ele entenda? Que fique esperando ela retornar? Bom, acho que ela não ama esse cara.

    • http://www.facebook.com/rafael.allegretti Rafael Allegretti

      Só acho extremamente errada a colocação de que “não trair alguém é trair a si mesmo”. O mínimo que se espera de um homem e de uma mulher de caráter é falar a verdade. Falar que quer terminar. Afinal de contas, se você entrar em um relacionamento fechado, é como assinar um contrato onde uma das cláusulas é a fidelidade. Se você acha que vai sentir algo por alguém, já ofereça o relacionamento aberto de cara… Porque a traição é imperdoável e dolorosa. Ninguém merece isso, e esse papo libertino não cola. Homens e mulheres devem ter caráter e honrar suas palavras e compromissos.

  • TatieleGiacomin

    Jamais aceitaria continuar em uma relação onde ele sente atração por outra e quer de certa forma “tentar” lá sem perder aqui, pois isso me machucaria de forma absurda. Acho até maldade que a outra pessoa queira que eu aceite isso de forma natural. 

    Porém, concordo que quando um dos dois não se sente feliz é de direito deste buscar essa felicidade mesmo que com outra pessoa, afinal, não somos donos de ninguém e impedir isso não nos cabe. Se meu namorado estivesse nessa situação romperia e o deixaria livre para isso, o que pra mim parece o mais justo.

  • http://profile.yahoo.com/6R2U5IDFOJKKZKDFCPUA55UXDE Marcela

    “Às vezes, não trair alguém é trair a si mesmo.” Não eu não concordo com essa ideia, acho que a partir do momento que escolhe ter um relacionamento sério com uma pessoa deve haver respeito e fidelidade. Quando algo está errado quando não estamos satisfeitos com o outro é que traímos, procuramos em outro alguém o que não encontramos no parceiro ª. ”Trair alguém é trair a si mesmo” mas isso serve pra alguns hoje em dia acredito que serve pra poucos. Não acho legal trair uma pessoa acho legal ser sincero com o parceiro e dizer que não da mais, que cansou, que está insatisfeito ou coisa do tipo, não eu não sou adepta ao que chamam de “relacionamento aberto” se for pra namorar e ter “relacionamento aberto” eu fico solteira acho melhor assim eu não me machuco e não machuco ninguém.
    Sou ciumenta ciúmes todo mundo tem nem que seja um ciúme meio disfarçado, oculto mas quando se gosta você sente um certa sensação chamada CIÚMES. 
    Hoje em dia as coisas estão muito liberais como diz um trecho da música do trabalhistas ” Eu sou de ninguém eu sou de todo mundo…” realmente ninguém é dono de ninguém mas se assumiu um compromisso deve ter em mente que respeito é bom e faz bem em um relacionamento! 

    • Você falou que as coisas estão muito liberais hoje em dia. é seu ponto de vista e é aceitável e respeitável. Mas não se pode achar que o seu é certo e todo o resto é errado, não que você tenha falado isso, mas foi o que eu entendi. Antes divórcio era proibido, antes casar por amor era absurdo, e assim vai. Ainda existem os que casam por tradição, os que acham divórcio inaceitável e já existem, ou melhor, já existiam e agora se identificam aqueles que são adeptos do liberalismo amoroso ou seja lá qual for o nome. Como você disse respeito é essencial e cada um tem um ponto de vista sobre a vida. Padrões não são necessariamente o certo ou o verdadeiro. 

      • http://profile.yahoo.com/6R2U5IDFOJKKZKDFCPUA55UXDE Marcela

        Realmente disse que as coisas hoje em dia estão muito liberais, como vc  disse em momento algum eu falei que a minha opinião está correta, mas é a minha opinião como agora você deu a sua opinião.
        A vida é formada de opiniões, cada um tem um ponto de vista, mas eu acredito que não é legal você estar com alguém e estar com outra ao mesmo tempo mas esse é o meu conceito o meu ponto de vista. As vezes o que é certo para uns é errado para outros e o que errado para outros é certo para uns. Tem gosto pra tudo  e valores também… Sem mais…

  • Viniciusfmiranda

     Sou adepto desta idéia também, acho que se a minha namorada está comigo é pra ela se sentir feliz do meu lado e não ficar procurando outros caras pra isso, senão é mais fácil ficar solteiro. Na minha opnião os relacionamentos de hoje não dão certo justamente por isso, essa abertura a traição enrustida de liberdade. E eu sou egoísta sim, se isso significa eu querer que a minha namorada tenha intimidade só comigo. 

  • Lilianrufino

    Ótimo texto, ainda preciso amadurecer muito para chegar neste nível de desapego, mais ja aprendi muito, e não fico mais sofrendo com o que pode ou não acontecer. 

  • http://discordando-do-mundo.blogspot.com Leonardo Xavier

    Eu até concordo que esse sentimento de posse em relação ao outro é algo nocivo… Algumas vezes parece que a certeza de que o outro vai estar sempre ali acaba fazendo que sejamos até mais relapsos com os nossos relacionamentos. Agora algumas vezes eu acho que abandonar a postura auto-centrada para adotar uma postura centrada na felicidade do outro também me parece ser uma fórmula mágica que só daria certo se outro também buscasse a nossa felicidade.

  • Andre_noh

    Hoje em dia o desapego virou moda na sociedade moderna, porém acho que o desapego vem matando uma coisa que na minha opinião é necessária, o desapego esta acabando com o “sofrimento”, hoje em dia não se vê mais relacionamentos de longos anos e quando o relacionamento se acaba a outra pessoa fica frustrada, triste, chora, bebe, escuta musica sertaneja e por ai vai, mas sim relacionamentos que se dizem modernos que se acabam por acabar e não deixam marcas ou muito menos remorso em ninguém as pessoas não querem sofrer mais por puro conforto. Mas me diga uma coisa existe uma frase simples “Sem sofrimento não há crescimento” e acredito nisso, as pessoas tem que quebrar a cara sim, ciumes pode parecer uma coisa idiota, egoísta e imatura, mas quem disse que agente não pode ser assim? Concordo que o excesso do ciume é uma coisa grave e chata, mas sem ciume não é possível existir uma perda significativa e sem isso não damos valor a nada.

  • Cecília Brasil

    Rodolfo querendo escangalhar no dia dos namorados.. 

  • LuizZamboni

    “faça o que te deixar feliz” é que é extremamente egoísta …perfeito.

  • http://www.facebook.com/people/Melina-França/696012101 Melina França

    Pra mim, é um desafio constante não aprisionar as pessoas que amo. Custa admitir que não somos donos de ninguém, por mais óbvio e necessário que seja. Mas ó, acho uma delícia deixar alguém livre e perceber que ele escolheu ficar – o que não deixa de ser uma felicidade das mais egoístas.

  • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

    Luciana … sobre esse ponto de vista, digo que nada mais é do que saber equilibrar. Como disse em meu comentário, um relacionamento precisa da comprometimento e nesse ato precisamos entender as necessidades do outro. Claro que não posso querer minha esposa em tempo integral só para mim. Claro que podemos enxergar o texto por esse outro viés … mas atento para o fato de que o Rodolfo foi muito específico em seu exemplo. Pessoas que sentem ciúmes de amigos e da família, realmente possuem essa lado da posse um tanto quanto exacerbado e precisa mesmo rever os conceitos. Mas não foi esse o tipo de ciúmes que o autor disse … ele citou ciúmes de um modo geral … amplo e único. Assim sendo, para ele, todo ciúme é prejudicial e faz mal para o relacionamento.

  • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

    “Faça o que te deixar feliz” é que é extremamente egoísta”. 
    Digo mais. Egoísta, e extremamente inseguro(a) 

    Às vezes eu penso que algumas pessoas falharam tanto ou foram tanto desprezadas (tirando o número incontável dos que jamais tentaram algo sério) que acabam por entrar nesse mundo utópico da liberdade sem limites, como se isso realmente fosse proporcionar a “verdadeira felicidade”. 

    Sem mais delongas.

    • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

      Fernanda, neste dia dos namorados, pega mal eu falar que te amo? Assim, “em público”? Não, eu te ligo.

      • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

         Tudo que tinha pra falar, ja falei por telefone. Bjos

    • http://www.baixinhoinvocado.blogspot.com.br/ Wagner Villa Verde

      MUITO CHATO NÃO PODER TE DAR UM ABRAÇO E DIZER DE CORAÇÃO QUE ADOREI SUA RESPOSTA E CONCORDO COM TUDO O QUE DISSE !!

      MUITO BOA MESMO !! A Marcelle é que mandou bem em te ligar !!!

    • ka

      otimo

  • http://www.facebook.com/people/Margareth-Brito/100000266634050 Margareth Brito

    1 – O ciúme é medo de perder (diferente de inveja que é querer algo que o outro tem);
    2 – Quando o outro tem a atenção do meu parceiro, eu sinto um misto de ciúme e inveja (mistura explosiva!), entre outras coisas;
    3 – Se ambos se sentem bem com determinado estilo de relacionamento, está tudo bem; a ideia é comunicar, comunicar, comunicar e ser livre para dizer e sentir tudo com o parceiro;
    4 – O ciúme tem causas diferentes em diferentes pessoas, há pessoas verdadeiramente dominadas por ele e outras que lidam facilmente com o sentimento e o dissipam;
    5 – Fundamental é perceber de onde vem, como se manifesta e porquê?
    6 – Que sentimentos surgem em mim de mãos dadas com o ciúme? Medo de perder, medo de ser humilhado, orgulho, necessidade de competição com o rival, necessidade de me garantir, de me segurar, de me afirmar, de ganhar, medo de ficar só, de ser preterido;
    7 – O que sinto, numa situação de ciúme, tem tudo a ver comigo e pouco ou nada a ver com o outro; se o ciúme surge em mim, é dentro de mim que estão os meios para o compreender, o tolerar, o controlar, o dissipar, e só tomando consciência de mim mesmo, saberei lidar com o sofrimento/ansiedade/tristeza/medo que sinto;
    8 – O trabalho é basicamente meu, o parceiro nada tem a ver com isso logo, a solução não reside em algo que ele faça (ou deixe de fazer) mas sim em algo que eu próprio faça (ou deixe de fazer);
    9 – O ciúme também pode ter a ver com a necessidade de controlo; mas porque não experimentar deixar de exercer controlo no relacionamento para ver o que acontece (seguramente será algo de mais verdadeiro espontâneo!);
    10 – A exigência de que o parceiro se comporte de acordo com as minhas expectativas é não mais do que uma fuga à necessidade de responder à minha pergunta  – Eu quero/escolho manter-me neste relacionamento? Isto satisfaz-me, mesmo com o ciúme que exise dentro de mim? É aparentemente mais fácil ou cómodo exigir que o outro mude ou se abstenha de determinado tipo de acções, pensamentos, desejos, do que assumir a responsabildade de tomar uma decisão!

  • http://twitter.com/_Croco Adriano C.

    O ponto que o texto peca em explicar é o seguinte:

    Não ter cíumes não significa necessariamente NÂO se importar com o outro. Você pode amar, desejar, pirar, fazer o que quiser. Mas nunca, em hipótese alguma, tente controlar o incontrolável. Isso é garantia de sofrimento. Simples assim.

    Fora isso, concordo. Eu sou uma pessoa que não é de sentir ciúmes (o que deixava minha namorada louca, achando que eu não me importo, etc). O dia que eu senti, Ela ficou mais maluca ainda. E o motivo que eu não sinto é simples: Se ela quiser fazer o que for, que faça, mas não irei alterar em nada as ações dela se eu quiser que ela faça diferente. Além de não me achar no direito de influenciar a vida de alguém e suas escolhas com minha opinião.

    Se ela quiser, tem todo o meu apoio, meu carinho, meu amor e meu desejo. Mas, sobre NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA, ela verá possessividade da minha parte. Isso é um juramento interno que fiz. E… completando dois anos de namoro daqui a dois dias, anda funcionando, devo admitir.

    Abs.

  • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

    O PdH costuma expôr textos que confrontem ideias, tem pra quem é a favor da maconha, quem é contra; pra quem gosta de futebol e pra quem acha uma grande bobagem,  mas, se não me falha a memória, vejo um artigo atrás do outro falando em desapego, relacionamento aberto e blablabla. Sério mesmo que é a única visão a respeito do amor? (mesmo, é um pedido sincero: se houver um texto confrontando, me mostrem. Eu quero ler.) É tão errado assim acreditar no “felizes para sempre”? Os psicólogos pedem que paremos de romantizar as coisas. Eu desisto dos psicólogos. Eles podem ir atrás de quem os faça felizes.  

    • Eduarda Vassanezzi

      Marcelle curti vários comentários seus.

      Não acho errado pensar no “felizes para sempre” mesmo sabendo que nada é para sempre, afinal não vivemos para sempre. No entanto se formos tão fundo nisso… porque respiramos se sabemos que um dia vamos morrer? Não é mesmo?

      A intenção do site é essa mesma, criar polêmica e o Rodolfo somente deu a sua opinião. Nem por isso todos devem concordar. 

      Eu jamais suportaria um namorado querer comer outra mulher. Só vou dizer vai E NÃO VOLTA !!

      • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

        “A intenção do site é essa mesma, criar polêmica e o Rodolfo somente deu a sua opinião. Nem por isso todos devem concordar. ”

        Exato. Há várias opiniões diferentes sendo expostas. Nada mais saudável…cada um sabe onde o calo aperta.

        Beijos e até a próxima

  • http://papodehomem.com.br/author/rodolfoviana/ Rodolfo Viana

    E quando a mulher lhe diz que quer sair com outro cara, ela falta com a “confiança”? Ela falta com a “honestidade”?

    Falta de honestidade é deixar às escuras. É enganar. 
    Sobre o PdH estar ridículo, tem outros milhões de sites por aí para você visitar. Talvez se sinta melhor neles. ;-)

    • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

      se tiver autores menos Arrogantes em outros sites vamos se sentir melhor mesmo. pq aqui ta foda.

    • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

      se tiver autores menos Arrogantes em outros sites vamos se sentir melhor mesmo. pq aqui ta foda.

  • http://twitter.com/formagio Alexandre Formagio

    Concordo com a parte do ciúmes do texto, isso não leva a nada, é corrosivo, é desculpa para controlar, é insegurança, entre outras 4859 coisas ruins que são fantasiadas de amor com frases como “ciúmes é sinal de amor”.

    Mas me avisem no dia que estiverem apaixonados por alguém e darem carta branca para, sei lá, seu melhor amigo foder sua namorada/esposa pois ela estava com tesão por ele e você fica em casa jogando PS3 esperando-a, para quando chegar perguntar como foi a foda e se ela está feliz, pois se ela estiver feliz, você estará feliz.

    Sentir aquele desejo momentâneo por outra pessoa é normal, mas que porra é essa de desapego e liberdade em TUDO? quem virou e disse que isso é o certo agora? é tipo moda HIPSTER? ah se você não fizer está fora da modinha, vamos ser todos liberais.

    “ah se você ama sua namorada tem que deixar ela dar pra outros caras”

    Até quando você vai acreditar nisso? até um dia você ver que talvez isso fosse uma desculpa pela falta de tesão que já estivesse rolando entre vocês e a preguiça e/ou medo de terminar o relacionamento? ou que um dia você vai acordar e perceber que isto não está te agradando muito… e ae? o que você vai fazer ou falar?

    Isso é algo bem utópico e cruel na minha opinião e acaba entrando na falta de respeito a outra pessoa que está se dedicando a você, não importa que seja no momento e que talvez não dura a vida toda ;)

    • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

      “mas que porra é essa de desapego e liberdade em TUDO? quem virou e disse que isso é o certo agora? é tipo moda HIPSTER?” haha muito bom kk

  • http://www.facebook.com/people/Alisson-Marques/100000107822960 Alisson Marques

    Minha ela não é, mas deixo claro que se ela quiser se relacionar com outro também prefiro que termine. Cada um tem suas preferências, gostos e princípios pra uma pessoa estar ao lado dela, um dos mais importantes pra mim é esse. 

  • http://www.facebook.com/people/Matheus-Costa/100002117497909 Matheus Costa

    É uma opinião interessante, pessoal que na qual eu não concordo! Acho que o ciúme é inerente a qualquer relação, cabe a vc controlar como vai expor o mesmo! 

  • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

    É muito legal quando alguém discorda, Alexandre, principalmente com educação. Agradeço pelo seu retorno :) e eu realmente não afirmei que em qualquer lugar do texto o autor pedisse que o felizes para sempre fosse esquecido. É somente algo que ouço e leio com frequência. “Pensei alto”, sabe?
    Não é conveniente que eu escreva um texto a respeito, pois tudo que eu tinha para falar sobre o assunto, expus nos comentários. Ninguém quer compilações. 
    Beijos e obrigada, mais uma vez

    • http://twitter.com/becoldasice Alexandre Wiechers Vaz

      Educação é o mais importante em qualquer tipo de conversa/discussão ^^

      Entendi errado então, desconsidere ;)

      E mais uma vez discordo aushaushasuh Acho que seria foda um texto sobre isso, já que a maioria dos textos sobre relacionamento aqui defendem essa visão mais “moderna”(Pensei em vários termos diferentes, mas acho que esse é o que se encaixa melhor) sobre os relacionamentos. Especialmente se fosse um texto teu, que expõe bem pra caralho a sua opinião e sabe se expressar bem. A meu ver não seria uma compilação e sim mais um texto foda que geraria debates bem interessantes(e acredito até que diferentes dos debates que rolam em textos como esse) aqui no PdH.

      Mas enfim, acredito que seria uma boa que alguém fizesse esse texto, independente de quem ;)

      Beijos e não tem de que :*

  • Lia.

    Bom.. se a namorada é apenas uma mulher que está passando um tempo ao lado de um homem (como diz o texto)… que se respeite esse “tempo ao lado de um homem” e, quando for solteira que aproveite o tempo ao lado de qualquer homem.. ou de todos… (idem aos homens)
    Sempre acreditei que um namoro nao prende ninguém, nao evita que as pessoas se apaixonem ou se sintam atraídas por outras, mas se isso ocorrer a ponto de superar o sentimeno pelo namorado (a) que se termine o namoro, duvido um ser humano que aceite que seu companheiro tenha outros relacionamentos e que continue carregando o titulo de SEU namorado(a)…
    Ciúme, orgulho, egoísmo… chame do que quiserem… ninguém quer ser corno assumido.

  • Danilo

    “Jesus era tão bom, humilde e sábio que ele não queria ser adorado, muito menos ser pop star, ele queria apenas fazer com os homens enxergassem o caminho do bem e do mal para que pudéssemos escolher…”

    Essa frase segundo fontes nada confiáveis seria de Raul Seixas, ela desenrola um pouco mais mas este trecho é o que interessa.
    Qualquer relacionamento, independente de religião, não quero que caia nesta conotação, afinal Jesus é HISTORIA…deveria seguir esta logica….LIBERDADE!Sejam felizes, deixem o ciumes de lado….

  • Eduarda Vassanezzi

    “Às vezes eu penso que algumas pessoas falharam tanto ou foram tanto desprezadas (tirando o número incontável dos que jamais tentaram algo sério) que acabam por entrar nesse mundo utópico da liberdade sem limites, como se isso realmente fosse proporcionar a “verdadeira felicidade”. ”  Fantástica sua colocação !!Já passei por isso, em tentar ter um relacionamento aberto com um cara, mas não deu certo. Se exclusividade é sinal de egoísmo, eu sou extremamente egoísta.Mas quando os papéis se invertem… como diz o ditado: pimenta nos olhos dos outros é refresco, né?

  • Eduarda Vassanezzi

    Gente

    O Rodolfo não está querendo que todos deixem suas namoradas dar para outros caras.
    Ele está dando uma visão dele e não é por causa disso que vamos seguir ou concordar. Afinal se ele enfiar a cabeça na privada, faremos também? Lógico que não!! Temos opinião própria.

    Não gosto desse negócio de relacionamento aberto e jamais suportaria um namorado dizer que quer comer outra mulher e eu simplesmente concordar. Eu também não posso prender ninguém a mim porque isso seria egoísmo da minha parte. E se ele quiser mesmo viver outra experiência mesmo seja apenas sexual, só vou dizer : VAI E NÃO VOLTA !!

    Simples assim !! 

    Essa modernidade de ficar com todo mundo não me inclui, porque o cara faz isso mas quando você faz ele não curte. POW!! Qual é? Não tenho atestado de otária e isso não se prolonga por muito tempo, um ou outro dá o GAME OVER. 

  • http://marciosarge.blogspot.com.br/ Marcio Sarge

    Descordo completamente da ideia exposta no texto.

    Ciumes é um comportamento tão natural  no ser humano como raiva ou alegria e não deve ser olhado como uma doença destruidora de lares, não quando não há exageros e sentimentos de posse.
    Sentir ciumes não é necessariamente sentir dono do outro, porque se fossemos donos o sentimento não existiria, somos donos e pronto, ele existe justamente porque sabemos não ter posse por completo do outro, que se vacilarmos elas/ele se vai.

    “Se eu namoro você, quero te ver feliz. Se você disser que ficará feliz
    dormindo com um carinha avulso que achou sexy e tal, como eu posso dizer
    não? ”

    Muito bonito a visão de querer ver o bem do objeto amado acima de qualquer coisa, até mesmo da própria felicidade ou conforto, mas pode ser um tiro no pé.
    A felicidade de um casal é compartilhada, nesse caso meia felicidade não é felicidade nenhuma, pois se libera sua mulher pra uma transa com um cara qualquer só pq ela achou sexy como isso pode lhe fazer feliz? Só porque ela esta feliz como isso. Há conforto numa relação que mede a felicidade baseado no desejo que sua mulher pode sentir por um amigo no trabalho por exemplo?
    Como eu posso dizer não? Porque isso me faria infeliz.

    “Eu tive uma namorada na época da faculdade e, numa das conversas, fui
    bastante claro: disse que se ela se apaixonasse por alguém e quisesse
    transar com outro cara, que apenas me avisasse para que pudéssemos fazer
    disso algo legal para todo mundo. Ela achou aquilo absurdo; eu achei
    aquilo a maior prova de amor.”

    Essa prova de amor soou mais como prova de desapego da qual ela não queria, já pensou que pra ela a felicidade morasse em lugar oposto, ou seja, no namoro convencional onde cada uma das partes se basta.

    “Não há bom senso maior que se devotar à felicidade daquela(e) que ama. Seja esta felicidade qual for.”

    E se ela me ame isso também cabe a ela, e seu eu dissesse que minha felicidade e não vê-la em outros braços que não os meus?

    • http://twitter.com/becoldasice Alexandre Wiechers Vaz

      Márcio,

      Ciúme definitivamente não é se sentir dono de alguem. Como vc falou aí, sentimos ciumes exatamente por sabermos que não somos donos do outro. Então podemos concluir o ciúme como o desejo de ser dono do outro?

      “… Eu consigo saber e compactuar comodesejo da minha mulher de transar com outro, mas fico mal se ela troca mensagens de celular secretamente com outro cara”

      Faltou a parte principal ;) Se não consegue saber e compactuar, entrem em um consenso(Ela desiste de fazer isso, vocês chegam a conclusão de que ela seria mais feliz com alguém que soubesse saber e compactuar e terminam, você aceita só se estiver junto e participando, WHATEVER). Há conforto em uma relação onde os dois se respeitam e a cada atitude levam em consideração o respeito que têm pelo outro. “Será que fazendo isso estou desrespeitando-o(a)?”. Há conforto em uma relação onde existe a sinceridade.

      O que acha? ;)

      • http://marciosarge.blogspot.com.br/ Marcio Sarge

        Não. Defino ciumes uma arma natural do ser humano contra uma possível perca de alguém que amo, tão natural como a dor por exemplo que está lá pra avisar que algo esta errado com nosso corpo.

        “… Eu consigo saber e compactuar como desejo da minha mulher de transar
        com outro, mas fico mal se ela troca mensagens de celular secretamente
        com outro cara”

        Saber do desejo que sua mulher pode sentir por outro não é o mesmo que aceitar que ela transe. Sou honesto comigo mesmo, minha mulher é de carne e osso como eu e você, parafraseando, nada humano nos é alheio, então é natural nos sentirmos atraídos por outros mas creio que nem sempre é a melhor saída cedermos aos nosso impulsos, isso não garante felicidade.

        Há conforto em uma relação onde você não precise temer a sinceridade.
        Uma mulher pode ser sincera em dizer que sente vontade de sair com outros ao parceiro como ele pode ser sincero em dizer que não aprova a ideia, seja pelo qual motivo for. Nesse caso o conforto foi quebrado com sinceridades e até onde ela foi necessário e o que deveria prevalecer para reestabelecer o conforto?

  • http://marciosarge.blogspot.com.br/ Marcio Sarge

     ”faça o que te deixar feliz” é que é extremamente egoísta”

    Essa frase deveria aparecer como poster aqui rs

  • http://www.facebook.com/people/Philipi-Schneider/100002162334424 Philipi Schneider

    Com relação ao ciúme, concordo com o que a Emanuelle Arsan escreveu sobre:

    “O
    ciúme, com efeito, não é uma força que asseguraria a nossa segurança: o
    ciúme é uma confissão de inferioridade. Por isto mesmo ele nos coloca
    em perigo, nos expõe a perdas e golpes, como o fazem todos os gestos
    apaixonados.

    Ser
    ciumento não é somente ter medo de perder ou dividir alguém que
    pensamos possuir; significa também que estamos vergonhosamente seguros
    de que um outro pode lhe dar mais prazer, pode torná-lo mais feliz. O
    ciúme não é então, como se pretende, um efeito de orgulho: ele é uma
    humilhação, uma neurose de impotência e de frigidez. Se nós soubéssemos
    amar, não conheceríamos o ciúme.”

    Descobri-me como não sendo uma pessoa ciumenta – já senti algumas vezes um pouco de ciúme, mas em situações esporádicas. Não vejo nada de positivo em sentir ciúmes, e quando sentia, na maior parte das vezes, fazia questão de não o demonstrar. É simplesmente ridículo qualquer coisa como tentar proibir sua parceira de ir a algum lugar, ou se encontrar com as amigas ou qualquer outra coisa. Sei que a única garantia de que ela não vá ter algo com outra pessoa é ela não querer ter algo com outra pessoa. Das vezes que senti e demonstrei algum ciúme, me senti extremamente ridículo depois. Era uma demonstração de medo e insegurança. E era um medo egoísta, medo de EU não conseguir mais encantá-la e satisfazê-la… 

    E algo ainda pior, é ser cobrado por não demonstrar ciúmes, como eu já fui algumas vezes. è algo bem ruim ter a sua parceira te cobrando por não tratá-la como uma criança a ser defendida dos próprios desejos, como se isso fosse sinal de falta de afeição.

    • http://www.facebook.com/marcelo.delphi Marcelo R. Rodrigues

      só por citar Emanuelle Arsan, ja mandaste bem, velho. E eu aqui entendiado sem saber o que ler… vou caçar agora mesmo na web os livros dela.

  • http://www.facebook.com/luciana.maganin Luciana Maganin

    Bom, como o texto foi escrito por um homem e direcionado a homens parece até ser “simples assim”…vai ler o mesmo tema em uma revista feminina para ver o desgaste que é…a quantidade de pesquisas e pessoas entrevistadas que vão compor um texto desses.

    Ciumes demais ou é doença ou é falta de segurança na relação. 

  • Felipe Cardoso

    acho que, mesmo se referindo ao Rodrigo, o comentário dela ainda está fora de contexto!

  • http://www.facebook.com/este.campos Estefânia Campos

    Ótimo texto, Rodolfo, mas não convenceu. kkkkk

    Sei que nem é sua intenção apenas a sua opinião.

    Eu não iria gostar do meu namorado ir fazer sexo com outra mulher e depois voltar para mim, como se nada tivesse acontecido.
    Essas relações abertas não dão muito certo pra mim, confesso que já tentei, mas sem sucesso.
    Eu termino depois de um tempo porque não tenho estômago pra ouvir meus amigos dizerem que viram o fulano com outra. 
    Eu me entrego sempre nas minhas relações e espero retorno e quando não vem, partimos pra outra.
    Simples assim !! 

    Eu jamais fico sozinha ;)

  • http://www.facebook.com/marcelo.delphi Marcelo R. Rodrigues

    O homem moderno é espiritualmente  “analfabeto” e por isso faltam-lhe palavras para definir as coisas.

    Existe vários tipos de “ciúmes”, mas nós já analfabetos de espirito não temos mais palavras para dar nomes a todos eles, para não cairmos numa torre de babel onde todo mundo se desentende por faltar uma linguagem comum, então o jeito é explicar(ou desenhar) cada caso:

    O ciúme mas o mais popularmente conhecimento é o ciume possessivo, o perfil desse tipo de sujeito é que trai mas não aceita ser traído, pois o ciúme é neste caso uma afirmação de posse e não de afeto. O personagem “Capitão Justo” da série brasileira “Teresa Batista” é o que representa melhor esse perfil, ele batia nas “posses” e não tolerava em hipotese alguma ser corno.

    O outro tipo de ciúme seria o “afetivo”, acompanhado do medo da perda, uma pessoa que não é acostumada a solidão cai facilmente nesse, chegando até mesmo a parecer uma pessoa possessiva.

    Existe ainda o ciúme em virtude de insegurança e pouca estima para consigo mesmo, vem com o temor de que outro encontre alguem melhor que você.

    É dificil citar uma forma “positiva” de ciúme, seria afetivo? não sei dizer..

    A falta de um “alfabeto” do espirito, faz com que debates sobre coisas simples e banais, de vivência comum a todos como o ciúme se tornem dificeis de expressar em palavras. Inclusive prosélitos do “liberar geral” que defendem uma ideologia, e não estão a relatar uma vivencia pessoal, tirem proveito dessa situação.

    Para quem ficou curioso a respeito da questão da linguagem recomendo esse texto:

    Com isto, tocamos aquele ponto essencial para a educação moral de hoje, o da mútua alimentação, da relação dialética entre a percepção (e vivenciamento) da realidade moral e a existência de linguagem viva: O empobrecimento do léxico moral é, hoje, um dos mais agudos problemas pedagógicos, na medida em que gera um círculo, literalmente, vicioso: a falta de linguagem viva embota a visão e o vivenciamento da realidade moral; o definhamento da realidade esvazia (ou deforma) as palavras… Faltam-nos as palavras, faltam-nos os conceitos, faltam-nos os juízos, falta-nos acesso à realidade. Como tão bem apontou Fernando Pessoa, numa das “Quadras ao gosto popular”, para o caso da saudade:

            Saudades, só portugueses
            Conseguem senti-las bem
            Porque têm essa palavra
            Para dizer que as têm.

    Quando a realidade é viva, o léxico é vivo: para o futebol, no Brasil, há um vocabulário riquíssimo: para diferentes ângulos de uma jogada bastante semelhante, dispomos dos termos: bicicleta, meia-bicicleta, puxeta e voleio. Para a realidade ética e antropológica, nosso léxico é pobre. Como diz o filósofo espanhol Julián Marías:

            Há uma coisa que me preocupa, e já o disse muitas vezes. Que, enquanto o vocabulário de uma área particular, de um campo profissional técnico, de um ambiente específico, na agricultura, por exemplo, ou na pecuária — enquanto esses vocabulários específicos possuem uma riqueza enorme, tudo o que um homem pode sentir por outra pessoa resume-se — em todas as línguas que conheço — a meia dúzia de palavras. Algumas positivas, como “amizade”, “amor”, “ternura”, “simpatia”, “carinho”, e outras tantas negativas. Parece-me muito restrito. Eu tenho quatro filhos, já adultos, e os amo de quatro maneiras diferentes. Há uma variedade imensa do amor, e a língua não reflete essa variedade. É uma limitação esquisita. Talvez devida a uma certa desatenção pelos sentimentos, pelos conteúdos anímicos, em contraste com a refinada atenção dedicada às técnicas da agricultura, da medicina… E às mil maneiras de dar um chute numa bola! E isso porque há um interesse especial. Muitas pessoas gostam de futebol e precisam distinguir os diferentes matizes dessa atividade. E, em contraste, o que uma pessoa sente por outra — e é algo mais difícil, sem dúvida — não desperta tanto interesse. Eu fico muito perplexo com este fato. [10]

    A necessidade da existência de uma linguagem viva para as virtudes e vícios supera, portanto, o mero âmbito lexical e instala-se no da propria possibilidade de visualizar a realidade de que se trata [11] .

    http://www.hottopos.com/videtur28/ljacidia.htm

  • http://www.facebook.com/julio.saraiva.9 Julio César Saraiva

    uma frase singela de uma amiga : somos o inicio e a solução de nossos problemas !!

  • Eduardo

    pra mim relacionamento aberto é querer ser corno…
    o papo de homem as vezes ta mais pra papo de homem moderninho, que nao sabe ser homem de verdade (impor limites e nao ser trouxa)…

    • http://twitter.com/formagio Alexandre Formagio

      HAHAHAHA excelente

  • http://www.facebook.com/people/Roberta-Almeida/643502328 Roberta Almeida

    Essa liberdade toda só rola de boa se a relação for mais para amizade colorida, curtição é o que vejo em prática ja acontecendo …  Em uma relação de muita convivência, troca não tem cabimento, será que os tempos moderninhos tende a nos forçar a dizer sem irônia: E ai amor, como foi a festa ontem? Vc  transou com alguem? Haha… jamais sentiria tesão por um homem que me colocasse assim na bandeja…Mas tem gosto pra tudo…O ego, o cíumes faz parte de gente de verdade e o lance de nunca saber exatamente o que imagina e sente o outro tbm… Esse é  o tesão da vida e eu tenho certeza que o feitiche do desejo as escondidas nunca será exterminado e as suas consequências no parceiro tbm!

  • http://www.facebook.com/douglasdtx Douglas Teixeira

    Rodolfo não leu o que ele mesmo disse que leu, pelo visto.
    “Você sente ciúme? Parabéns, este sentimento é normal e razoável. O ciúme é como o medo. Só os seus excessos é que são disfuncionais: falta de ciúme ou excesso de ciúme, tal como a falta de medo ou o medo de tudo, é que são prejudiciais. ”

    E depois me coloca uma frase dessas: ”É possível abolir o ciúme?”Pra quê começar a criar métodos e teorias, devaneios sobre algo que não deve ser modificado, que é obrigatoriamente natural do ser humano? Parece que vai contra a proposta do Papo de Homem, que se bem entendi é mostrar/construir o homem moderno, isso mais parece uma involução: negar a própria natureza.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000479062089 Fernanda Pamplona

    Quanto mais eu leio o PdH, mais eu vejo como as pessoas gostam de polemizar! >.<

    Concordo que alguns não leem com o objetivo de refletir, mas entendo as postagens aqui dessa forma: fazer você pensar no que está fazendo e como está agindo e pensar em outras possibilidades – não necessariamente colocando-as em prática.

    Aqui mesmo no PdH há algum tempo foi postado um texto sobre relacionamento aberto que as pessoas deviam ler também. Que falava justamente que o fato de se ter um relacionamento aberto não significa promiscuidade, ter vários parceiros, etc. É ter a abertura para um SE (SE ficar afim de outra pessoa, SE conhecer alguém interessante, SE…) que, muitas vezes, nem chega a acontecer, exatamente porque nós mesmos nos privamos disso. Por vontade própria, e não por imposição. A ideia é bem por aí.

    Todo mundo pode ter um relacionamento aberto e monogâmico. Fica a dica.

  • Fabi

    Engraçado, eu já disse para um (ex) namorado o mesmo que você disse para a sua da época da facu … para mim também é a maior prova de consideração e respeito (por si e pelo outro) essa transparência de tratar desses assuntos. De um lado a clareza que há sim espaço para a comunicação mesmo que o assunto não agrade e do outro a honestidade e lealdade de comunicar que está acontecendo algo provavelmente não será agradável.
    Mas cá entre nós, eu sou sim mega ciumenta, especialmente quando percebo que o cara não está sendo leal … ele pode até ser infiel, mas ele tem que ter culhão pra chegar e dizer a real. Diante de honestidade, meu ciúmes baixa a bola…

  • http://www.facebook.com/people/Nick-Matos/100000112885301 Nick Matos

    Rodolfo, A música perfeita para o seu texto é, na verdade, A Montanha – Engenheiros do Hawaii. ”
    Se eu pudesse, ao menos te contar o que se enxerga lá do alto….”. rsrs

    Ótimo texto, cara.

  • http://www.facebook.com/rafael.allegretti Rafael Allegretti

    Porque o ciúmes é um sentimento, não é racional. Assim como o amor em si não é racional também. Concordo em 100% com aquela frase: Quem ama, cuida. É verdade. Eu confio no meu taco, mas mesmo assim não gosto. Da mesma maneira que eu posso não ter nada contra gays e mesmo assim não gostar de andar com eles em baladas e barzinhos, entende? É uma comparação pífia mas foi a melhor que pensei pro momento. O ciúmes é algo natural que todos nós sentimos, só estou dizendo que não estou interessado em me treinar para deixar de senti-lo. Esse é o ponto. O ciúmes faz bem para a relação, e por sinal, acho que é uma das maneiras mais fáceis e bobas se continuar mostrando diariamente para sua mulher que você a ama, afinal, elas querem se sentir amadas todos os dias. Quem não gosta de ciúmes, são garotinhas, já as mulheres entendem o bem que um pouco de ciúmes faz e gostam disso.

    • ka

      vc associa ciumes diretamente ao amor?…

  • Márcio

    Também tenho a mesma opnião. Faço o que for possível pra ver minha namorada feliz, porém não consigo “compactuar com o desejo da minha mulher de transar com outro”. Se eu estiver fazendo algo errado, nós conversamos e melhoramos isto. Se nada der certo e o desejo acabar, melhor conversar e cada um procurar aquilo que lhe fará feliz.

  • http://www.facebook.com/people/Roberta-Almeida/643502328 Roberta Almeida

    Realmente não dá pra imaginar o diálogo onde o parceiro diz estou com muito desejo por determinada pessoa e  o outro permite experimentar… E se a vontade não passa o outro sempre ira permitir? Seria uma relação a 3 , a 4? Lembrando que nossos desejos são estranhos que habitam dentro de nós e culturalmente falando os homens são campeoes  em desejar instintivamente alguem no carro, na rua… Vc abriria sempre isso para o parceiro tbm? Caso não, seria isso tambem uma especie de traição? o não abrir todos os pensamentos  e instintos ao outro? Somos uma caixinha de surpresas e apesar da relação ser de duas pessoas acredito que existe uma linha tenuê entre ser fiel ao parceiro e preservar pensamentos que nos visitam e que temos a escolha individual de resistir ou  ir adiante.
    Penso que abolir o ciúme é mais hipócrita do que senti-lo.

  • http://twitter.com/_Croco Adriano C.

    Uma coisa que eu aprendi é: Nunca prenda ninguém.

    Engraçado que quando mais liberdade você dá, MENOS a pessoa sente vontade de fazer.

    Vejam o que a Fernanda Pamplona, ela sintetizou tudo o que eu penso. Vejam com esse angulo e tudo muda de figura.

  • http://www.facebook.com/people/Robson-Vieira/100000157273853 Robson Vieira

    Danilo Arato escreveu palavras de razão. Vendo diversos comentários, parece que o autor demonstrou as vantagens e recomendações de um relacionamento aberto, o que nem de perto passou, em momento algum de sua escrita. Até mais, meus caros.

  • Elizabeth Zanovello

    Parabéns…adorei seu artigo sobre o ciúme, tenho um blog Território masculino no Portal az, posso compartilhar, darei seus créditos, lógico!

  • alguem

    tenho ciúmes, mas é pq tive um trauma de um relacionamento passado. nao consigo mais confiar nas pessoas. não me acho egoísta por isso, apenas que preciso achar uma cura para esse trauma (q não seje caro, pq psicologo custa uma fortuna e q seje rápido, pra parar de prejudicar a família).

    e discordo da frase do quadro. Pq não posso querer ser feliz e passar o resto da minha vida ao lado de alguém que quero chamar de meu enamorado (a)?

    Qdo alguém fala “esta é minha namorada”, não refere-se a posse, mas a condição de intimidade. Qdo uma esposa fala pro seu esposo “meu amor” é pq se refere ao amor presente no coração dela.

    Tá meio estranho teu texto, parece q vc está se referindo aos relacionamentos como se fossem algo meio “whatever”.
    No exemplo q vc deu, de uma namorada q teve, vc achou q foi prova de amor, na verdade, vc estava estabelecendo permissões! Isso não segue um fluxo natural.

    Somente amor não é o suficiente, precisa de companheirismo, conhecer a pessoa, muito diálogo, muita paciência e compreensão (e sexo vem em último lugar, de uma lista extensa). Não tem essa de “se der, deu; se não der nao deu”. Se quebrar, vc não pode jogar fora, tem q consertar.

    Vc já leu O Pequeno Príncipe? Se já leu, leia novamente, mas leia com olhos de criança, quero dizer, tente tirar o máximo possível de seus filtros sociais. Qto mais achamos q temos a mente aberta, mais o exato oposto é. Isso é um exercício diário. Eu tb me acho “mente aberta” e sei q nao sou, mas procuro ter ciência dessa minha limitação e policiá-la.

    “não trair é trair a si mesmo”… peço desculpas, mas foi a maior canalhice q já ouvi. Quem trai, com todo o respeito, é um covarde q tem medo de ficar sozinho e de dar o primeiro passo para terminar. (obs: “relacionamento aberto” é diferente de traição).

    Pense nisso. Vc é jovem ainda, tem bastante tempo pra pensar. Vc tem até o final da sua vida, ou seja, vc tem todos os dias pra fazer uma “reflexão na ação” (ideia de Schön) e se tornar cada vez mais um homem.

  • http://twitter.com/becoldasice Alexandre Wiechers Vaz

    Acho que você continua entendendo errado… Usando a definição que você mesmo deu, “enganar usando a confiança depositada”, seria traição se a sua mulher falasse para você que quer dar pra outro? Seria caso vcs conversassem e chegassem num acordo de que ela não faria, mas ela faz do mesmo jeito ou se ela nem falasse porra nenhuma. Ele deu a entender que se a mulher quiser foder com outro cara, quem diabos é você para proibi-la disso? Aliás, quem diabos é você para proibir qualquer um de qualquer coisa? Realmente, “As vezes não trair(…)” foi uma afirmação bem infeliz… Ou eu não entendi direito, whatever!

    Concordo, foi completamente escroto da parte dela me colocar um chifre pra depois terminar. Mas acho que o pessoal do PdH pressupõe é que a galera que tá lendo isso tenha o mínimo de consciencia e saiba como funcionam relacionamentos. A proposição feita nos textos não é “Traia seu(sua) parceiro(a)”. É “Abra sua cabeça”. E só! Em NENHUM texto existem indicações ou indiretas para que você traia/falte com respeito ao seu conjuge.

    Vejo engano quanto no uso dessa palavra ao não achar em lugar algum uma frase que me leve a relacionar ciume com direito de trair ;)

  • Leandro

    Todos sentimos ciúmes porque somos imperfeitos, mas isso não nos dá o direito de querer tirar a liberdade alheia. Vejo diversas atrocidades diárias por causa desses relacionamentos doentis. Ninguém é de ninguém, essa é a verdade.

  • Antônio Azevedo

    Acredito que quem resumiu bem toda essa problemática foi o brilhante Renato Russo:

    “Tire suas mãos de mim/que eu não pertenço a você/ não é me dominando assim/ que você vai me enteder…” E mais: “nos perderemos entre monstros/ da nossa própria criação / passarei noites inteiras/ talvez por medo da escuridão/ ficaremos acordados imaginando alguma solução/ para que nosso egoísmo não destrua nosso coração…”

    Não gosto de ciúme. Já tive um relacionamento que se tornou muito complicado por causa dele. Minha namorada procurava uma dominação total. Chegou a apagar telefones de amigas do meu celular para que eu não mantivesse mais qualquer contato com elas. O cíúme passava até por fotos. Se eu, por exemplo, dissesse que tinha visto a Playboy de fulana, ela uma escândalo, como se eu a estivesse traindo. E eu jamais a traí. Durante o tempo que passei com ela, nunca dei uma cantada em outra mulher, nunca saí com outras ou liguei para outras com finalidades escusas. Claro que, como todos (e quem disser que não está mentindo) me senti atraído por outras mulheres. Com tesão. Mas soube resistir a todas essas tentações e me manti fiel. Mas o nosso relacionamento só fazia piorar, mesmo demonstrando a minha fidelidade e romantismo (sempre fui romântico). Por isso, sempre vejo com cuidado quem defende o ciúme. Sei que é normal senti-lo, mas também sei que ele não gera nada de produtivo ou enriquecedor.

  • denise medeiros

    maravilhoso seu texto, foi a melhor definição de ciumes q eu ja ouvi parabens

  • alinetomazi

    rsrs Era a criar o perfil, mas eu ja aprendi. Comblicadinho neh rs valew

  • alinetomazi

    Voce me fez lembrar um trecho do livro “O Pequeno Principe”
    …”Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo”…

  • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

    a vai durmi cara -.-”

  • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

    não da ‘-’

  • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

    [2], falou oq eu queria falar.

  • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

    neh, pode cre :)

  • http://twitter.com/tico20timao2 Luiz Eduardo MGC

    eu li todos os comentarios, LOL kkk

  • Isa

    Muito bom. Se todos que afirmam amar alguém se importassem realmente com a felicidade deste, o mundo sem duvidas seria um lugar muito melhor.

  • Vitor Queiroz

    Vejo muitos comentários de pessoas que não tem a capacidade crítica de entender o que o autor está passando, talvez por falta de experiencia. Não que eu esteja me julgando como mais experiente, mas consigo entender plenamente o que o autor quis dizer. Concordo com todo o texto.

  • Tompson

    Não concordo muito com que Marcelle disse, venho de um lugar onde maioria dos relacionamentos são duradouros mesmo quando eles envolvem muito sexo e traição. Então pra mim não existe a regra absoluta, por isto que acho que nao deve levar a sério que a Marcelle disse. Cada caso é um caso.

    • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

      Sinceramente, fico surpresa lendo comentários citando a MIM e não ao Rodolfo, autor do texto, e tanto tempo depois. Não é meio estranho discutirem um comentário e não o texto? Fuga do ponto. Pode ser mais interessante construir um raciocínio em torno do que foi exposto NO ARTIGO a simplesmente bater cabeça dizendo que outro comentarista não deve ser levado a sério. É pequeno. Talvez a consideração mais sábia feita até agora tenha sido a sua, “Tompson”: cada caso é um caso. Por isso mesmo, a opinião de nenhum de nós é absoluta.

      Abraço

  • miguel mendonca

    ai ai ai… eu não devia comentar mazzzz

    Rodolfo: te entendo

    Estamos a confundir as coisas, Marcelle, o convencional é bom mas também é o “ideal”, a frase em que o R fala em deixar a namorada livre para fazer o que quiser é um caso EXTREMO e é sim uma prova de amor, amor tranquilo, adulto, em que reina a auto-confiança e principalmente o bem-querer um ao outro.

    Não é um livre-passe para libertinagem, é DUAS coisas fundamentais:

    – uma confissão de que o elemento “liberto” pelas palavras é tão importante para nós que não queremos que sinta que o relacionamento TEM que acabar por em determinado momento dele o outro ter uma necessidade ou uma queda externa

    – é algo que se acontecer que valha a pena, porque pressupõe que vão conversar sobre isso e tornar o “erro” em algo bom, não se trata de rotina, porque quem confessa vai falar das razões que levaram a isso e assim ambos têm que enfrentar o que haja de errado na relação, confessar implica reflectir sobre o que aconteceu e também que se preza a relação o suficiente para realmente lutar por ela

    A verdade básica é simplesmente esta – VC TEM QUE CONQUISTAR A MESMA PESSOA TODOS OS DIAS DA VIDA – dá trabalho e também a recompensa final

    a tal “abertura” é mais ou menos treta e uma promessa, é uma prova de auto-confiança, confiança de que nunca se dará ao outro motivo ou mesmo sem-motivo suficiente para que queira olhar para o lado, é mesmo uma promessa de amor

    vc Marcelle escreve “troca de fluidos”, pois é exactamente isso, sair para uma balada, encontrar alguém e deitar com alguém que vc não conhece é apenas masturbação assistida, vc não está fazendo amor, amor é dedicado ao outro, isso é fazer para si mesmo, é SEXO – ter no namorado um parceiro para qualquer tipo de jogo, na cama ou fora dela, quer seja fazer amor, fazer sexo de qualquer tipo, ser o que o outro precisa, ou contar histórias de ninar – quem não quer isso?

    não é o facto de se transar fora do relacionamento que é relevante, é a declaração de que se pode levar tudo para uma conversa! que não precisamos ter vidas paralelas! falar sobre nossas fantasias em vez de as realizar fora, ás vezes,

    É um SEGURO multi-riscos, aposto que tem mais chances de NUNCA acontecer na realidade do que no relacionamento dito convencional em que se trai e se volta a trair pelo sentimento de impunidade e porque nos fez sentir bem (não vai haver confissão, racionalização, enfrentar o outro e a si mesmo a cada vez que e encarar que houve uma razão para algo ter acontecido ou se ter pensado nisso).
    Sempre que o outro estiver contigo é porque quer estar ali naquele momento em em mais lugar algum – putz cadê isso nestes dias que correm?
    dar a base para construir o dia a dia conhecendo o outro como a nós mesmos e nos tornarmos um de tal forma que cortar o outro é cortarmos-nos a nós, construir a intimidade de pensamento, sonho e não de apenas rotinas e vidas em comum – porque isso dá medo, medo real de perdermos a individualidade – essa declaração inicial do R é um exemplo apenas de que não há razão para esse medo e nos podemos libertar e entregar – de verdade – a uma só pessoa
    fiz sentido?
    recapitulemos em versão Readers Digest: o R não quer que aconteça!! quer que se acontecer não seja por algo fútil!! que se acontecer que tenha valido a pena!! que o relacionamento fique sempre mais e mais forte até se ser apenas um, que se saiba que não se está sózinho nunca se não se quiser estar, em nada.
    existe um lugar no mundo em que vc é compreendido sem ser julgado, um lugar quentinho e confortavel, o teu ninho e porto seguro, os braços do TEU homem e tudo o resto lá fora é em comparação frio, fútil e estéril – deitar junto só tem significado e conforto com o TEU homem
    Dar SEMPRE ao outro um pouso seguro onde voltar se estiver perdido, sim, isso É Amor

    PS: e mais, te garanto que não vai acontecer (eu sei)

    abraço.

  • miguel mendonca

    ai ai ai… eu não devia comentar mazzzz

    Rodolfo: te entendo

    Estamos a confundir as coisas, Marcelle, o convencional é bom mas também é o “ideal”, a frase em que o R fala em deixar a namorada livre para fazer o que quiser é um caso EXTREMO e é sim uma prova de amor, amor tranquilo, adulto, em que reina a auto-confiança e principalmente o bem-querer um ao outro.

    Não é um livre-passe para libertinagem, é DUAS coisas fundamentais:

    – uma confissão de que o elemento “liberto” pelas palavras é tão importante para nós que não queremos que sinta que o relacionamento TEM que acabar por em determinado momento dele o outro ter uma necessidade ou uma queda externa

    – é algo que se acontecer que valha a pena, porque pressupõe que vão conversar sobre isso e tornar o “erro” em algo bom, não se trata de rotina, porque quem confessa vai falar das razões que levaram a isso e assim ambos têm que enfrentar o que haja de errado na relação, confessar implica reflectir sobre o que aconteceu e também que se preza a relação o suficiente para realmente lutar por ela

    A verdade básica é simplesmente esta – VC TEM QUE CONQUISTAR A MESMA PESSOA TODOS OS DIAS DA VIDA – dá trabalho e também a recompensa final

    a tal “abertura” é mais ou menos treta e uma promessa, é uma prova de auto-confiança, confiança de que nunca se dará ao outro motivo ou mesmo sem-motivo suficiente para que queira olhar para o lado, é mesmo uma promessa de amor

    vc Marcelle escreve “troca de fluidos”, pois é exactamente isso, sair para uma balada, encontrar alguém e deitar com alguém que vc não conhece é apenas masturbação assistida, vc não está fazendo amor, amor é dedicado ao outro, isso é fazer para si mesmo, é SEXO – ter no namorado um parceiro para qualquer tipo de jogo, na cama ou fora dela, quer seja fazer amor, fazer sexo de qualquer tipo, ser o que o outro precisa, ou contar histórias de ninar – quem não quer isso?

    não é o facto de se transar fora do relacionamento que é relevante, é a declaração de que se pode levar tudo para uma conversa! que não precisamos ter vidas paralelas! falar sobre nossas fantasias em vez de as realizar fora, ás vezes,

    É um SEGURO multi-riscos, aposto que tem mais chances de NUNCA acontecer na realidade do que no relacionamento dito convencional em que se trai e se volta a trair pelo sentimento de impunidade e porque nos fez sentir bem (não vai haver confissão, racionalização, enfrentar o outro e a si mesmo a cada vez que e encarar que houve uma razão para algo ter acontecido ou se ter pensado nisso).
    Sempre que o outro estiver contigo é porque quer estar ali naquele momento em em mais lugar algum – putz cadê isso nestes dias que correm?
    dar a base para construir o dia a dia conhecendo o outro como a nós mesmos e nos tornarmos um de tal forma que cortar o outro é cortarmos-nos a nós, construir a intimidade de pensamento, sonho e não de apenas rotinas e vidas em comum – porque isso dá medo, medo real de perdermos a individualidade – essa declaração inicial do R é um exemplo apenas de que não há razão para esse medo e nos podemos libertar e entregar – de verdade – a uma só pessoa
    fiz sentido?
    recapitulemos em versão Readers Digest: o R não quer que aconteça!! quer que se acontecer não seja por algo fútil!! que se acontecer que tenha valido a pena!! que o relacionamento fique sempre mais e mais forte até se ser apenas um, que se saiba que não se está sózinho nunca se não se quiser estar, em nada.
    existe um lugar no mundo em que vc é compreendido sem ser julgado, um lugar quentinho e confortavel, o teu ninho e porto seguro, os braços do TEU homem e tudo o resto lá fora é em comparação frio, fútil e estéril – deitar junto só tem significado e conforto com o TEU homem
    Dar SEMPRE ao outro um pouso seguro onde voltar se estiver perdido, sim, isso É Amor

    PS: e mais, te garanto que não vai acontecer (eu sei)

    abraço.

  • Lucas Carvalho

    da arte de comentar em posts antigos e que não geram mais discussão: concordo plenamente que o ciúmes não é nada além de corrosivo e não me convenço com esse papo de que “ai, mas não é racional, é uma emoção”. e daí que é emoção? controlar – e por controlar podemos entender desde limitar suas consequências até mesmo deixar de sentir – emoções é uma das coisas que nos tornam seres sociáveis.

    namorei duas vezes, traí 6 vezes em cada um. ainda mantendo a paridade entre os namoros: cada um teve 5 traições das quais me arrependo (traições procuradas, motivadas por vício em sexo, tesão desnecessariamente descontrolado) e 1 da qual eu não me arrependo em absoluto, porque foram frutos daqueles momentos mágicos onde surge uma química incontrolável entre você e outra pessoa. fui muito feliz com essas experiências que citei, lembro delas com tesão e com carinho e isso não diminui em nada o que eu sentia (e eu sentia, e ninguém pode me dizer que eu não sentia) pelos respectivos namorados. aliás, que eu ainda sinto. são duas pessoas incríveis (que hoje em dia sabem dos chifres que levaram) que quero manter sempre por perto e, ainda que não as namore mais, são frutos de relacionamentos que deram certo. deram certo não porque passaram da marca exata de um ano (ambos), mas deram certos porque foram o começo de amizades íntimas e profundas. e românticas. em outros momentos da minha vida, namoraria ambos de novo.
    pra mim, o limite entre namorar e estar junto de alguém é cada vez mais tênue e difícil de identificar. estou junto dos dois: converso, rio, compartilho e até pego, de vez em quando. mas não namoro. e eu não sei qual a diferença entre as duas coisas. namoro exige exclusividade? exige ver toda semana? enfim, não entendo muito bem as regras que definem o que é um namoro e o que é simplesmente amar alguém e, por isso mesmo, querer ser alguém participante e presente na vida da pessoa.

    na minha cabeça, é simples assim: se podemos amar dois filhos, podemos amar dois cônjugues, e todo o resto é balela (mas isso é outra história, na verdade).

    o que eu queria dizer com o meu exemplo é que identifico nessas traições das quais não me arrependo oportunidades únicas de vivenciar experiências sexuais (e experiências sexuais cheias de química e intensidade acabam sendo experiências que ficam gravadas na cabeça além do plano meramente putanheiro) que não se repetirão mais, e que considero que ter me privado delas seria sim trair a mim mesmo (muito mais do que trair o outro). eu menti à época, mas sofri muito por ter que esconder algo que eu não queria esconder. entretanto, na balança, a verdade seria uma alavanca de sofrimento pra ambos os lados e era absolutamente evitável. isso porque também, é claro, eu estava com pessoas com noções de namoro e relacionamento completamente diferentes das minhas.

    esse exemplo é, de certa forma, um delineador daquilo que eu considero ideal (e que eu não sei se vou conseguir no plano real, porque motivos e motivos, mas que estamos trabalhando para) em matéria de relacionamentos, hoje em dia: acima de tudo, não deve haver a mentira e, para isso, devem estar ambos na mesma página, com as mesmas ideias sobre o funcionamento das coisas. isso é muito mais o que as pessoas são e como funcionam mesmo (indivudalmente) do que estabelecer regras de namoro. cumplicidade e intimidade surgem da sinceridade, e não vejo motivos para se colocar em um namoro se não pelo enorme benefício de ser profundamente íntimo de alguém. e, se tratando da questão de casos extraconjugais, vejo que deve haver fluidez: que aconteçam as coisas que estão destinadas pra acontecer e que não se negue as oportunidades mágicas da vida. então se a sua namorada conheceu um negão lindo e simpático, e ela sempre quis dar pra um desses (e voce é um branquelo mirrado de 1,70), e eles se deram bem, que role o sexo, sabe? pra que negar isso a ela? pra que frustrar esse desejo? aliás, frustrar esse desejo é provavelmente o caminho mais curto pra ser inteiramente trocado pelo negão em algum momento.
    essa fluidez tem mais a ver com se sentir livre pra fazer aquilo que se sente valer realmente a pena do que com putaria. não tem nada a ver com procurar sexo na balada, com viver uma vida de solteiro – até porque a vida de solteiro tem muito de uma certa busca por parceiros ideais (ainda que se negue isso) e, se você tá bem no namoro, não tem muito o que procurar.

    enfim, eu entendo e até invejo (um pouquinho só) quem confere aos relacionamentos esse aspecto intenso, possessivo, louco e apaixonado/desesperado. é, de certa forma, um arquétipo bonito de relacionamento passional – tanto que é muito presente na ficção. mas eu só acho bonito, porque nunca funcionaria comigo. talvez isso seja consequência de racionalizar muito a questão do amor e tal (uma coisa minha), mas eu nem acho isso tão ruim, às vezes.
    aliás, assim como espiritualidade, esse é o assunto que eu mais gosto de tratar com fluidez, sem certos e errados, sem “eu acho isso pra sempre”. então eu acho tudo um pouco certo e um pouco errado, tanto a minha visão quanto a dos outros. quanto mais eu penso, menos bullet points com conclusões certeiras sobre o assunto eu tenho, e eu tenho aprendido que isso é mais positivo do que negativo.

  • http://fabiorocha.com.br/ Fabio Rocha

    Comento com um poema meu, irmanado em seu texto, se me permite:

    ATRAVÉS DA MULHER

    um passarinho na gaiola
    me pensa

    a borboleta distraída
    por estar distraída
    sabe a sabedoria das árvores

    sem finais felizes sem lagartas sempre no instante

    verde

    um riacho me ri
    (é raso, Heráclito)

    através da mulher
    o Ser me brilha tal qual a nona de Beethoven
    (confesso fatigado, entre Osho, Raul, Manoel e trocentos desloucos que me soul)

    é que através do viés
    da curva no tato
    me perco em mim, em eu, em tão pouco
    que desfaço meu iluminar tão tênue

    cresce no peito
    a palavra
    Minha

    combato a sagrada luta de espadas
    contra o eu
    e mais ainda
    contra a unha
    da palavra única Minha
    só Minha

    a palavra Minha
    é mínima
    e restringe o todo a uma

    o todo é um
    mas é mais que só
    é mais que a soma de tudo
    é mais que matemática e contrato

    as pessoas são pessoas são pessoas são pessoas são pessoas

    no fogo
    meu eu se desfaz em musgos e liquens
    cada vez que respiro fundo e calo a boca de palavras tais quais essa
    cada vez que salto e vôo e vou e Caio

    eis que no instante mágico
    em que destropecei sem medo de tropeçar
    fui sem pensar em ir
    boiei em vez de nadar
    todas as floras da primavera me abrem
    ergo mares íntimos e Netuno molhado se espanta
    escrevo dragões com lápis cego
    arrisco tudo
    tenho epifanias com roseiras
    aceito rosa e espinho
    ouço a nona
    e finjo fingir ser o último mestre do ar

    você consegue
    neste mundo de peso
    vir comigo voar?

  • Danilo de Meireles

    Achei irônico você pôr primeiro um texto que mostra que o ciume é normal e escrever que ciume é corrosivo. Oo
    Eu acredito que ciume é uma forma de medo. Medo de perda e não se perde somente aquilo que se possui no sentido material da coisa, mas no sentido de perder aquilo bom que é compartilhado ou de perder a predileção. Afinal, todos queremos um pouco de exclusividade. TODOS.
    E acredito sim que existe bons níveis de ciume. Basta encontrar aquele que não mate nem prejudique o lado bom do relacionamento.

  • Ita

    Por que será que sinto ciúmes? Como será na verdade mesmo?

  • Joel Barish

    Faz tempo que não visito este blog, achava-o às vezes muito sexista, às vezes muito machista. Mas depois de ler este texto, começo a mudar de opinião. Palavras sensatas as suas, muito bom! Parabéns!

  • michel

    pela primeira vez da minha vida amei um cara,tenho 22 anos.ele me muitio feliz,mas me deixa inseguro.namorando há 5 meses ,ele marca encontro com outro pela internet e eu fico sabendo de tudo ,o encontro não acontece por minha causa.Depois de implorar de desculpas, muitos perdões,eu até perdoe, Descido continuar o romance. O problema que não consigo confiar mais no sujeito ,apesar de gostar muito dele,tou querendo terminar.

  • http://twitter.com/Gabriel13604009 Gabriel Schmidt

    Só não concordo com a imagem do “Extra”. Se a namorada não é sua independe de ciúmes ou não então deveria ser um relacionamento aberto sem qualquer compromisso, afinal é apenas um tempo para ser feliz, quando acabar ela vai embora mesmo. Acho nesse sentido de que quando falamos de amor sim ‘ela é minha namorada e amanhã poderá sr minha esposa, porém todos somos livres a magica é você prender sua parceira dando toda liberdade do mundo baseado na confiança, afinal somos todos maior de idade, se isso não acontecer é sinal de que não há confiança se não há……

  • Aristóteles Lima Santana

    Desculpe, mas um sujeito que diz que a namorada dele pode transar com qualquer um só poderia ser fã do Kenny G.

  • Natália

    Eu ri muito de como você pega a sua verdade e a impõe como se fosse absoluta, ao mesmo tempo em que critica a verdade das outras pessoas. Isso tudo que você escreveu tem um nome, e se chama ”promiscuidade”. E antes que argumente, eu não tenho nada contra promiscuidade, desde que as pessoas que gostem admitam isso, ao invés de ficar fazendo discurso idiota num blog idiota, como se fosse o Deus da razão.

  • Bali

    “Se você sente ciúmes da sua mulher, a culpa é sua, não dela.” Isso é brincadeira!!! Então também serei culpado quando ela estiver transando com outro e para tentar me redimir terei de levar o café da manhã para os dois na cama. Também terei que perguntar ao cara quando ele vai deixar eu sair com a minha mulher, porque se tentar expulsar o cara eu serei considerado um troglodita insensível. Porque não recomenda para a galera pagar as contas, o jantar no restaurante, o motel e uma viagem romântica para os dois. Afinal, sou culpado por existir e tentar impedir que um espertalhão tente enganar minha mulher para obter sexo. Obrigado mas tenho disposição para fazer papel de tolo!

  • Gilson

    Olha tchê… Baita otário, troxa, zé mané ou, posso chamá-lo de corno potencialmente passivo, o idiota que escreveu este artigo. Nunca lí tamanha besteira na minha vida. Desde quando ser “corno passivo” é sinal de valor moral seu zé mané!? No mínimo, tu deve ser gay também!!! Faz um favor pra humanidade que ainda preza pelos bons valores morais, e se deita na BR116!!! Passar bem…

  • lnoel

    Sou impotente, e gostaria muito de ver a minha esposa arrumar um parceiro fixo para ter relações sexuais.
    lnoel@folha.com.br

  • ka

    será q estes amerindios nao tem tal sentimento reprimido….???

  • ka

    gostei

  • ka

    amei

  • Izadora Thomaz

    Carência define.

  • Debora Prata

    O texto tem fundamento. Sim, somos seres individuais, a nossa felicidade não deve ser depositada em alguém ou numa relação, não possuímos nem somos posse de ninguém… Concordo! No entanto, o texto não defende só isso, defende uma indiferença/superficialidade em um grau tão absurdo que chega a ser tão radical quanto o ciúme excessivo.

    “Ela lê o SMS e esboça um sorriso. Você fica com ciúmes pensando que pode ser um outro cara. E talvez seja. Talvez ela queira mesmo sair com outro homem e gozar. Talvez ela não tenha mais amor ou tesão por você, e o relacionamento esteja no fim. Sentir ciúmes vai fazer com que o suposto tesão dela pelo outro acabe?” Não! Não vai fazer com que o tesão acabe! E se alguém que você ama muito morrer… Sentir saudade vai fazer com que ela/ele volte? Também não! Mas você vai deixar de sentir? Você controla os seus sentimentos a esse ponto? Você sente mesmo… Tem certeza?

    Ciúme não é, necessariamente, insegurança. Os dois até podem caminhar juntos, mas existem independente um do outro. Assim como saudade não é, necessariamente, tristeza. Apesar de as duas poderem até caminhar juntas. Tesão não é paixão… Enfim. Acho que ‘respeito’ já resolve muita coisa… Se você decidiu compartilhar uma relação com alguém, você precisa entender exatamente como esse alguém enxerga o ato de se relacionar, ser claro quanto a sua visão e pronto! E independente disso tudo… Só me incomoda profundamente a apologia à superficialidade, à privação de responsabilidades e à suposta indiferença (suposta porque, de fato, ela não existe… A não ser que não exista sentimento sincero e verdadeiro). As pessoas enxergam a vida e as relações de formas diferentes… Se você ter um relacionamento monogâmico ou não, “liberal” ou não… tanto faz! Mas que você ame profundamente (ou então não vale a pena), que você respeite, que você se importe, que você preserve… que se racionalize, por uma questão de sobrevivência, mas que não se prive de sentir…

  • Fabio Nascimento

    Nossa que ridículo, incitando as pessoas praticarem relacionamento aberto.

  • Luis Gustavo Couto Wacker

    Amor só dura em liberdade
    O ciúme é só vaidade
    Sofro, mas eu vou te libertar

    Esse trecho resume o aceitar desse que, pra mim, é o único meio de se manter a continuidade sincera e verdadeiramente amorosa de um relacionamento.

    https://www.youtube.com/watch?v=j9k64y3G2XE

  • damillamares

    Eu costumo dizer o seguinte: se você tem ciúme de coisas se aproximando do corpo da outra pessoa, deveria ter ciúme da cama, da escova de dente, etc.

    Se você tem ciúme de outra pessoa se aproximando, saiba que não precisa de aproximação física pra pessoa se apaixonar por outra.
    Essas coisas são incontroláveis.
    Se o seu medo é ser “trocado”, a sua autoestima deveria te convencer do seu valor.

    Acredito que uma vez definidos os limites do que é considerado traição ou não, a relação flui melhor.
    Às vezes quem trai é porque quer demais. Quer continuar num relacionamento fechado, quer a adrenalina de um caso, quer se sentir desejado. Quer tudo, menos ter as bolas de admitir pro outro o que quer ou que faz.

    Quer tudo, menos ser responsável por si mesmo.

  • Lucas Carneiro de Oliveira

    Concordo plenamente com a visão explorada no texto, porém achei que foi abordado de uma forma muito superficial, algo muito raso, levando muito para o pessoal e sem acrescentar nada novo ao tema. O que levou os comentários pra isso também, uns contra, outros à favor, sem ninguém acrescentar nada pra ninguém. Mas gostei muito da imagem da cabana e da menção ao “Último psiquiatra”.

  • Tha Teixeira

    Para se construir uma relação como a esboçada no texto precisa de um avançado grau de maturidade de 90% da população, incluindo a mim não tem. Sou ciumenta sim e sei que a culpa é minha e não do outro. Só acho que ainda não tenho maturidade suficiente para lidar com se quer sair com outro vamos sentar e conversar, acho super válida a ideia mas eu não sei lidar com isso. Infelizmente ainda sou muito das ideias mais puritanas. Talvez se eu conseguisse desapegar sofreria menos.
    Lendo os comentários abaixo vejo o quanto os homens são mais preconceituosos que algumas mulheres…

  • Diego Morales

    Eu concordo com o texto. Ao menos no que diz respeito ao sentimento de ciúmes ser inútil e corrosivo.
    Por pensar assim, já passei por muitas situações onde ouvi “Vc me ama, mesmo? Tu não tem ciúme de mim.” minha resposta é sempre alguma variação de “Não é com ciúme que eu vou demonstrar que te amo, não é te prendendo que vou te amar. Se me sinto inseguro em alguns momentos? Sim… e nesses momentos tenho mais e mais certeza daquilo que sinto. Mas não é brigando, ou mesmo apenas discutindo sobre algo que me fez ter ciúmes que nosso relacionamento vai ser melhor. Eu confio em ti. Eu confio em que tu vai fazer o que quiser na vida e, no fim do dia, vai voltar pra mim e seremos nós de novo. Se algum dia tu resolver fazer algo que vá contra nós, paciência. Vou sofrer, mas sei que fiz o melhor que pude para nós.”
    Enfim, acho que ciúme é natural. O que fazemos dele, e com ele, é que pode ser um problema.

  • Joyce Moura

    O que faltou aliás tudo faltou… matéria superficial. Enfim ciúme é uma insegurança de quem o sente, não tem haver com o outro, mas consigo, eu sou ciumenta pra krl, não infernizo ninguém pq sinto que isso é só a minha insegurança gritando. O objeto do ciúme não se relaciona com o sentimento, troca a pessoa o sentimento continua, portanto se for falar de ciúmes tem de tratar da primeira pessoa que o ‘possui’

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5533 artigos
  • 661568 comentários
  • leitores online