Cinema pornô no centro de São Paulo, a Sodoma underground

Leo Morato

por
em às | Relatos, Sexo


Não há vendedores de pipoca na porta, apenas um camelô vendendo óculos de sol. Largo Paysandú, centro de São Paulo, 34º, meio-dia.

No calçadão da Avenida São João, transitam pessoas dos mais diversos tipos. Em grandes cidades como esta, imagina-se já ter visto de tudo, ou quase. Cinema Alvorada, tradicional sala que fazia parte da chamada “Broadway paulistana” até o início dos anos 80, quando foi desativada. Reinaugurada na década de 90, tornou-se uma das maiores casas paulistanas dedicadas à exibição de filmes pornográficos.

cinema pornô no centro de São Paulo

Av. São João. No meio disso tudo, há a sodomia underground de São Paulo

Me aproximei da única bilheteria. O ingresso custou R$3,00. A vendedora é jovem, bonita assim como qualquer bilheteira dos cinemas dos principais shoppings da cidade. Ela me pergunta se sou maior de idade e me pede documento. Após a análise, entrega o ingresso, da sessão do meio-dia. O Alvorada funciona 24 horas. Os filmes em cartaz são: “O jardim do Éder”, “Paty” e “As abertas”, que são exibidos alternadamente na única sala de projeção, onde o espectador pode ficar o quanto tempo quiser.

Ultrapassei a roleta e dei de frente com uma grande cortina preta. Com algum receio, passei por ela e encontrei uma enorme escadaria, semelhante a de algumas igrejas. Paredes laterais brancas, degraus emborrachados. Subi o primeiro lance, com o banheiro do lado direito. Olhando de fora, pode-se ver um grande espelho quebrado.

Dentro, o piso é vermelho feito de lajotas picotadas, os azulejos das paredes são azuis e percebe-se claramente a sujeira impregnada entre eles. A luz é fraca e o cheiro dos boxes é evidente até para quem está ainda longe. Olhando do lado esquerdo da escadaria, vi uma sala enorme e escura, pintada de preto do chão ao teto, com bancos de cimento seguindo por toda a sua lateral, apenas uma pessoa está lá, sentada. Uma mulher, loira, de porte bem avantajado, vestindo uma micro saia e blusinha, ambas rosa claro, provavelmente a espera de algum cliente.

Subindo lentamente mais dois grandes lances da enorme escadaria, encontrei mais uma cortina preta. Abri, agora menos apreensivo, e enxerguei a mais pura escuridão. Meu nariz rapidamente sentiu o forte e enjoativo odor do local, uma mistura de esperma com cloro – esse segundo, utilizado provavelmente na tentativa sem sucesso de diminuir o cheiro do primeiro. Na tela, um pouco menor do que a de um cinema comum, um homem alto e forte apalpa uma morena magra e de poucas curvas, num sofá, ambos de roupa, ainda. Me guiei pelas pequenas luzes das laterais da escada, localizada no meio da plateia. Com dificuldade e tateando com as mãos para não trombar com alguém, sentei na quinta fileira, de cima para baixo.

Os olhos vão se adaptando a pouca luminosidade e comecei a enxergar a sombra de alguns dos espectadores. Na parte central da sala, um homem acaricia as partes íntimas de outro, que já está quase deitado. Duas garotas de programa circulam pela sala, aparentemente oferecendo-se para a minúscula plateia. Uma delas se aproxima, veste um top e uma saia do tamanho de uma toalha de rosto. A moça para e diz: “Quer fazer um programa?”. “Não, obrigado”. Ela segue para o próximo possível cliente. Enquanto isso, no filme, ator e atriz já estão completamente nus.

Cinema pornô no centro de São Paulo

Alguns minutos depois, outra mulher aproxima-se, vestida de espartilho e uma saia um pouco menor. Oferece, de forma chula, um sexo oral. Pergunto o preço: “dez reais”. Recuso e agradeço. Em poucos segundos ela retorna e pede para sentar ao meu lado. Acomodada, me faz uma oferta – mais uma vez com linguajar impublicável – uma promoção de duas chupadas por apenas quinze reais. Nego e lhe agradeço mais uma vez. A moça diz trabalhar somente no cinema e presta serviços a seus clientes ali mesmo.“Qualquer coisa é só chamar”. Levanta e vai embora.

O forte cheiro e o calor pela ausência do ar condicionado começam a embrulhar o estômago. O rangido das poltronas balançando é constante. Percebo a aproximação de um homem, ele para na minha frente. Franzino, moreno, de cabelos bem curtos, veste uma camisa social preta de manga comprida, calça marrom, sapato social e uma bolsa masculina, também preta; de joelhos levemente dobrados, com os pés virados um para o outro e roendo as unhas, solta uma voz fina, extremamente afeminada, quase infantil. Me oferece o mesmo tipo de habilidade que as outras duas garotas de programa. Minha resposta é o já repetitivo “não, obrigado”. Ele insiste, quase que implorando: “mas é de graça!”. Nego novamente, com veemência maior, e ele se vai.

O filme continua sem cortes e com a qualidade cinematográfica dos piores vídeos amadores que se possa encontrar na internet. O ator não diz uma palavra e a atriz emite gritos e pedidos de persistência dignos do Framboesa de Ouro. Um senhor – cabelos brancos, camisa e calça social – entra timidamente na sala, senta-se nas fileiras da frente, rapidamente uma das garotas senta-se ao seu lado, conversam por alguns minutos – possivelmente negociando –, ela levanta e se vai, sozinha.

Mais uma vez, o tímido rapaz de camisa preta se aproxima de mim e, para a minha desconfiança, ele caminha lentamente rodeando a minha poltrona. De repente, de forma aflita, me implora para que eu aceite seus serviços, especificando que não cobrará por nada. Nego com certa estupidez e ele se vai.

Na tela, o ator chega ao final de seu trabalho, o único som que se escuta da platéia é o salto alto de uma das garotas de programa que caminham pela sala. O filme termina e, com um truque de computação gráfica típico da década de 70, dá-se início mais um filme.

Cinema pornô no centro de São Paulo

Levanto-me, desço a escada em meio à platéia e caminho em direção as cortinas que cobrem a saída. Após abrí-la, já não sinto mais o forte cheiro da sala, apenas um forte calor pela pouca circulação de ar. Desço tranquilamente a longa escadaria, olhando novamente para o grande pátio escuro e vejo que não há mais ninguém.

Cruzo com a moça que me fez a oferta por irrisórios quinze reais. Ela se despede com um aceno e diz: “tchau, lindo”. Chegando ao pé da escada, abro a última cortina e a forte luz do Sol me cega por alguns pequenos segundos.

Sinto o ar puro e refrescante dos 34º do cinzento e poluído centro de São Paulo, o que é pouco para aliviar o ainda forte embrulho no estômago. A perversão sexual decadente no centro da cidade não é pra qualquer um não.

Leo Morato

Leo Morato é jornalista, paulistano e amoral. Já praticou todas as posições do baixo escalão do mercado de comunicações, é um racionalista extremista e gosta quando as mulheres lhe chamam de forma carinhosa de "bobo", como, por exemplo quando toca 'Surf in USA' com seu air-sax. Twitter: @leomorato.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • y C

    Belo relato, ja tive por pura curiosidade vontade de também entrar em um cinema porno, algumas coisas são como eu imaginava, outras pior…

  • Dado Teles

    Rapaz, quase botei meu café da manhã pra fora agora…

  • http://donluidi.wordpress.com/ don luidi

    Aqui em Curitiba tinha (tem) o famoso Cine Lido nos mesmos moldes do seu texto!

  • Lucas Carvalho

    eu queria entender por que, por mais que existam outras cidades enormes no Brasil, nenhuma é tão pervertida quanto São Paulo.

    • Lucas Carvalho

       isso daria um bom texto, ó.

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Pq aqui temos pessoas de todas as origens e conceitos morais possíveis. Então, proporcionalmente, temos mais pervertidos do q em outras cidades, não? Fora q essas pessoas tem mais espaço pra expressar sua “perversão”.

      • Lucas Carvalho

        faz sentido, nenhuma cidade é tão misturada quanto SP, ainda que outras enormes existam.

      • André Paulo

        cara venha conhecer recife…isso aqui tá um lixo de perversão e mal gosto sexual…sem preconceitos…mas aqui virou a capital gay do Brasil…

    • Emerson Machado

      Não é um “privilégio” só de Sampa… Aqui em Uberlândia-MG, com pouco mais de 700 mil habitantes (nunca divulgam o real valor…) temos algo idêntico, em pleno centro da cidade, e com faixas: “Sexo ao vivo com a participação da platéia”….

      • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

        EITA! Com a participação dá platéia?!?! Mas tem distribuição de vacina antitetânica grátis?

      • http://www.facebook.com/andre.nascentes André Nascentes

        É o famoso Cine it. Tenho vontade de entrar lá pra ver o como é, mas só de pensar que qualquer centimentro quadrado daquele lugar pode estar sujo de porra, fico bem desanimado.

      • http://www.facebook.com/brenda.ribeiro2 Brenda Ribeiro

        Porra ! O ‘crime’ é frenetico em Uberlandia, heim.. rs rs [participaçao da plateia foi o top dos top crimes ]

    • André Paulo

      Meu caro Lucas…aqui em Recife não é diferente…a diferença era q até uns dois anos atrás, eles exibiam a noite teatro de sexo explicito, uns 10 caras da plateia subam e tranzavam no palco com uma puta…a nojeira era a mesma…kkkkk

  • Veridiana

    Nossa, muito bem escrito o texto, com uma descrição tão detalhada, senti como se estivesse lá, e não gostei nada; tb senti nojo e só pensei nas centenas de DST’s que deveriam estar impregnadas naquelas paredes e assentos…credo! Leo vc foi muito corajoso!

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Tem uma mancha branca na minha bermuda até hj! …mentira hahahahaha

      • Jean Carlos

        eu vou fazer um trabalho desse tbm.
        é recomendável eu ir no lugar assim?

      • Leo Morato

        É sempre bom a gente ver pessoalmente e viver aquilo q é tema do q estamos escrevendo. Senão, vc vira a Sônia Abraão…

      • Jean Carlos

        vc gastou quanto la em tudo?

  • http://twitter.com/mEstrazulas Micael Estrázulas

    #TENSO

  • Juliana

    É claro que existem cidades tão pervertidas quanto, ou mais que São Paulo! Tenho um conhecido que aos 13 anos comprou 2 pares de sapato pra uma canra! Seu primeiro grande amor, seguido da primeira transa! Pra nós de SP, isso pode parecer absurdo, tanto quanto nossos Cines podem parecer aos outros! Tudo é relativo!
    Quanto ao texto, adorei! Sempre tive curiosidade de entrar num lugar desses, mas me falta coragem de ir sozinha! Dica para o próximo: sauna gay!

  • http://www.facebook.com/joir.eduardo Joir Eduardo

    As prostitutas foram inteligentes em oferecer seus serviços onde existe a maior propensão de clientes a aceitarem, o único problema é que o cinema deveria construir uns quartos de motéis estratégicos ao lado da sala. É a venda agregada! 

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Pequenas Empresas Grandes Negócios! …mas a R$3 o ingresso acho q fica difícil…

  • http://www.facebook.com/ShiJunior Shi Rodrigues Jr.

    O mais trash de São Paulo, ao lado disso só os Prédião… 69, etc.

  • http://tenholaminhasduvidas.blogspot.com/ Marcelle Gália

    Já faz um tempo que escrevi um texto sobre isso tbm. A Avenida São João foi o meu primeiro endereço em São Paulo; é onde fica um prédio militar antigo. Eu tinha 14 anos. O prédio era rodeado de inferninhos e bingos. Havia uma banca duvidosa logo em frente. Comprei sem problema algum uma revista de quadrinhos eróticos e uma Playboy da Sabrina Sato. Por andar muito com meninos, acreditava que também precisava passar por esse ritual de ter a minha primeira Playboy. Coisa de moleca. 
    Na esquina da Rua do Boticário havia um cinema pornô. Eu passava pelos cartazes e me perguntava pq havia estrelas tampando o óbvio, se poses e nomes de filmes já denunciavam o bastante. Hoje tenho certeza q eu observava com indiscrição. Ficava me perguntando “Será que eles batem punheta coladinhos? É assim que tentam afirmar masculinidade? Que irônico…”

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Depende do q o cara quer quando entra nesses lugares. Tem de tudo, cara que só olha, cara que bate sozinho, que “ajuda” o outro, que leva mulher… Se vendem cigarro e bebida pra menor de 18 anos, vender uma Playboy é o de menos…

  • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

    Se você procurar bem, tudo isso pode ser encontrado em diversos outros lugares em várias cidades. No funk, na balada de eletrônico, no churras na casa do seu amigo…

  • http://www.facebook.com/people/Carla-Rodrigues/1014618676 Carla Rodrigues

    Acho encantadoramente nojento os ciclo sexual frenético de São Paulo!

    Vai dos inferninho 24hrs do Arouche, cine pegajosos e sem ventilação do centro velho a prostitutas fazendo crochê enquanto esperam o próximo cliente em plena luz do dia!

    São Paulo é sem dúvida a Sodoma e Gomorra: vende-se de tudo desde que tenha quem comprar!

  • http://www.facebook.com/people/Thais-Simoni/100001620100642 Thais Simoni

     aaaaa o preconceito e julgamento! tsi tsi tsi

  • http://www.facebook.com/people/Thais-Simoni/100001620100642 Thais Simoni

    “Encantadoramente nojento”? Não entendi.
    Deixa a galera ser feliz! Eu não frequento, mas cada um com suas fantasias e formas de gozar.
    Legal o texto! Tenho vontade de entrar em vários lugares pra saber como é, puteiros, suings (esse até propus mas meu namorado ficou puto e não quis rs), mas para uma mulher (e gostosa) é muito mais difícil entrar sem correr riscos. E esses cineminhas (embora jamais tivesse coragem de entrar) tbm ficava imaginando como seria e qual o tipo de público. Bom saber como é, vou ficar com a versão fantasiosa da minha cabeça rs. 

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Esse texto não tem nada de ficção, nem aumentei e nem diminui nada. É tenso assim mesmo. Sou extremamente liberal. Sinceramente, se você tem mente aberta, experimente tudo, mas não recomendo pra ninguém ir num cinema desses.

      • http://www.facebook.com/people/Thais-Simoni/100001620100642 Thais Simoni

        Imagino o quanto deve ser trash, seu texto só confirmou o que já supunha.
        Dispenso a visita, confio em você rs…

      • http://www.facebook.com/people/Carla-Rodrigues/1014618676 Carla Rodrigues

        E nós dispensamos visitantes com um pré conceito já concebido!

      • Ítalo

        Quer dizer que você da treta?!

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Sou extremamente liberal e sinceramente Thais, se você tem mente aberta, experimente o que quiser, mas não recomendo pra ninguém ir num cinema desses. Escrevi esse texto mostrando exatamente como foi, não aumentei e nem diminui nada. É tenso assim mesmo!

      • http://www.facebook.com/people/Thais-Simoni/100001620100642 Thais Simoni

         Relaxa, tenho mente aberta mas não sou maluca! rs
        Não tentarei um lugar desses. Os outros, um dia.

      • Felipe

        teste*

    • Marco

      Sinceramente…
      Se vc for gostosa mesmo, como afirma, até a rua é perigosa. Imagine um lugar desses. Cheio de caras velhos, feios, fora de forma e muitos desesperados por falta de mulher e que pagam R$ 15 para uma feiosa lhes chupar o cacete…

      Sinceramente: gostosa, num lugar desses, só pra atriz do filme mesmo…

  • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

    PUTA relato, Leo.

    Me prendeu do início ao fim. Baita disposição em se aventurar por esses cantos. Já fez outras empreitadas jornalísticas nesse estilo?

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Já tentei dormir num abrigo de mendigos pra mostrar como é, mas não deu certo…

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Já tentei dormir num abrigo de mendigos pra mostrar como é, mas não deu certo… Tenho vontade de passar uma noite na cracolândia, mas to mto gordinho pra me passar por viciado…

  • http://www.facebook.com/vagner.abreu Vagner Alexandre Abreu

    Meu pai foi dono de uma “boate” na região até meados de 2000. 

    E já fui em um destes cinemas quando tinha uns 20 anos de idade. A situação foi quase similar: uns colegas de trabalho me convidaram para entrar em um cinema em Osasco do mesmo estilo. Mesmo sistema: pague, entre e fique o tempo que quiser. Não aguentei 10 minutos. Diferente deste citado, o qual fui tinha vários ambientes, um para filmes com animais, outro maior com filmes mais comuns. Só sei que me lembro de dois caras começando a chegar do meu lado. Na hora que senti que iam fazer besteira, saí de fininho.

    Me pergunto o porque de existir este tipo de coisa, mas enfim…

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Porque existe gosto pra tudo.

  • Aldo

    Infelizmente já frequentei estes cines-pornôs e olha não recomendo, mas a escolha é de cada um. Deixei de ir por uma questão de saúde e princípios. E também financeira né! gastar 5,00 ”Dollar$” pra entrar. Dinheiro jogado fora. E olha, em qualquer cidade um pouco maiorzinha você encontra estes ”inferninhos”.

    E ri na parte do ”Framboesa de Ouro”. Na verdade todo filme pornô mereceria ganhar um Framboesa de Ouro. 

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Ah, não tem filmes pornôs muito bons. O problema dos filmes pornôs são dois: nem sempre o equipamento de filmagem é bom e os atores em 99% dos casos são péssimos! Me lembro de um filme que vi uma vez, os atores eram brasileiros, mas o filme era feito em inglês e a atris gritava sem parar “Fóque-me! Fóque-me!”. Não há quem se concentre na punheta tentando não rir disso!

  • Juli

    Depois dizem que porra não tem cheiro de água sanitária. Rs! E se entrar mulheres será que oferecem para chupar também?

  • Leandro

    Não imaginava que pudesse haver as boqueteiras dentro desses lugares. É bom saber disso, e por um preço bem acessível….rsrsrs

  • Aldair

    Coragem entrar num lugar desses hahaha.

    Vira e mexe estou ali na galeria do Rock ou na galeria Olido. Não passo nem perto deste cinema…

  • http://rodrigonovac.tk/ Rodrigo Novac

    Que aventura! hahaha

  • http://www.facebook.com/luisfernandoguedes Fernando Guedes

    Excelente texto!

  • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

    A descrição foi tão incontestavelmente detalhada que me senti  vendo um curta metragem em 3D.

    Parabéns, Leo Morato.

  • Bradodonto

    Acho engraçado esse relato, ridículo pra falar a verdade…… O que vc esperava encontrar em um cinemão?? É óbvio que a maioria seriam homens , gays , batendo punheta……. !!!! Pegação……..

    • jaderpires

      Amigão, tu chegou a ler alguma parte do relato? Percebeu que ele foi lá como jornalista, negou qualquer envolvimento por estar lá pela experiência e, acima de tudo, narra todo um relato de embrulho no estômago?

      Ele esperava encontrar uma experiência a ser relatada, uma experiência que certamente não é qualquer um que passa e, pela curiosidade, acaba absorvendo esse relato.

      • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

        Bom, um comentário injusto e sem conhecimento de causa contra uma defesa e análise precisa e justa. Não vejo necessidade de acrescentar mais nada.

  • Marcos

    Qualquer pessoa tem direito de fazer o que quiser.. desde que não force ou prejudique os outros.

  • K2

    Claro que foi interessante saber o que se passa dentro de um “cinema” desses, mas o que mais me prendeu foi o texto em si. Você escreve muito bem! 

  • Rbs

    Bizarro , se eu for pra SP é uma opção turistica , melhor do que aqui no DF que um passeio de meia hora pela praçã dos 3 poderes e não há mais nada pra se conhecer .

    • http://www.facebook.com/leo.morato.54 Leo Morato

      Me deixou na dúvida do q é melhor, ver a putaria do congresso nacional ou a dos cinemas pornôs de SP…

  • Pingback: “Queria ser hétero, mas não consigo” | Papo de Homem

  • http://twitter.com/heliobentzen Helio

    Parabéns pela descrição. Se o contexto era um cinema, sua descrição foi a altura. Cinematográfica. Acredito que tenha matado a curiosidade de todos aqui que um dia pensaram como seria lá dentro.

    Lembrou-me perfeitamente também de um curta-metragem de baixo orçamento que vi uma vez em que se retratava um cinema desse gênero. É realmente chocante e não é pra qualquer um.

  • Tiogog

    Ri muito lendo esse post. Obrigado

  • Roberta Ponto

    Locais assim nem deveriam existir. É uma pena que ainda existam frequentadores para tal.
    Buscar sensualidade em
    Sexshop é tranquilo, agora locais deste tipo não né gente! Vamos nos cuidar e nos valorizar!!!

  • Kana

    Se a matéria tivesse sido feita em points de sexo de Amsterdam, ou em qualquer outras metrópole da da Europa, o comentários seriam do tipo: “Nossa que legal ter uma lugar que se possa viver a sexualidade livremente”. Mas como é no Brasil, as pessoas julgam como sujo, nojento e pervertido. Esse falso moralismo e a hipocrisia do brasileiro me cansa. Mas é fato que algumas pessoas gostam se de auto-castrar, preferindo ter uma vida infeliz sexualmente, por puro falso pudor. Gente, acorda! O ser humano é feito de desejos, emoções e hormônios e precisamos saber expressar e lidar com isso, obviamente sempre com segurança!

    • Felipe

      Concordo totalmente!

    • italiano

      morei 10 anos na europa , e vc tem toda razao ,la fora tudo e bonito aq so se condena ,ignorancia pura

  • http://www.facebook.com/limorges Rafael Borges

    Boa narrativa Leo!
    Como se os “34º do cinzento e poluído centro de São Paulo” já não fossem o bastante!

  • Pingback: “Queria ser hétero, mas não consigo” | Mugango

  • chico

    Criticar e meter o pau que São Paulo e Sodoma e Gomorra todo mundo sabe.
    A prostituição existe no mundo todo tanto na classe média baixa como média alta.
    Quantos de vocês que criticam as prostitutas ou garotas de programa já não foram a procura delas ou quantos de vocês não usaram ou usam da apelação ora seja,
    “comer as primas de vocês e ai o que elas são ou foram para vocês: prostitutas, garotas de programa, quebra galho ou garotas de família.
    Então gente não critique Sodoma e Gomorra em São Paulo faça de conta que não esta acontecendo nada porque ate agora a nossa sociedade e nosso políticos não tomaram nenhuma providência a respeito , porque no fundo estamos todos envolvidos na delicada ou famigerada prostituição.

  • Jose

    Se fosse uma saua de putas, aí ninguém ia botar o café para fora, nem que as putas, muito bêbadas, vomitassem mais do que isso. Outra coisa em relação ao dono do blog. Como jornalista, é inconcebível falar palavras de baixo “escalão”, quando na verdade são palavras de baixo “calão”. Isso sim é a decadance sans elegance.

  • http://www.facebook.com/JulianaSanthana Juliana Santana

    Deve ser horrivel, mas minha curiosidade e perversidade fala mais alto, essas coisas obscuras me deixam mais curiosa ainda e sem medo nenhum.

  • Rone

    Já fui a vários shows de pagode em Salvador, com aquelas músicas mais safadas, que me deixava de p*** dura de tão explícitas que eram. Mas (sou gay), a minha intenção era ver a putaria rolar solta nesses ambientes, e o que mais eu vi foi um cara se esfregar na mulher, nada mais que isso. Para um homem com desejos gays, isso é como assistir a chapeuzinho vermelho ou a turma do Didi.

  • ggggg

    SÃO PAULO É MESMO A CIDADE DE PROSTITUIÇÃO, TANTO GAROTAS QUANTO TRAVESTIS FICAM EM CINES PORNOS OFERECENDO-SE PARA FAZER SEXO ANAL POR R$10,00, E SE VC FALA QUE NÃO VAI PAGAR ELAS DEIXAM POR ISSO MESMO!!

  • Leonardo

    PdH, este post foi um dos mais envolventes de todos os tempos. Por que vocês não procuram fazer esse tipo de coisa mais vezes, de mandar alguém pra certos lugares ou meio suburbanos ou simplesmente meio escondidos pra virem relatar aqui como foi? É o tipo de experiência que a gente lê e sente que foi com a gente, apesar da gente não poder ou nunca vir a pisar em lugares como esses. É o futuro! Leo, manda a ideia pros caras. Falou!

  • jaxwins

    ola, no centro tem cinemas diferentes tem os mais bagunçados e os mais discretos, graças ao ex prefeito que fechou alguns o que acontece, a aglomeração de pessoas aumenta mudando a característica do cinema, as vezes vou fazer algum serviço no centro se chove entro no cinema e dependendo do horário(hora do rush) ou se chove, ja fui em alguns diferentes tem gente de todo jeito, cara com cara de bravo que entra e amarra camisa social com nó e vira uma menininha, gente de todas as idades, bixa nova e tiozinhos de cabelo todo branco, em alguns cinemas essas garotas são garotos, uns até bonitos outros que pra melhorar um pouco tinham que nascer de novo, tem gente de tudo que é jeito

  • carlos gomes

    O texto é muito ruim, entrou e saiu do cinema, e daí? qualquer um que entrar lá terá muito mais para contar.

  • carlos gomes

    Se não tem coragem de se expor, inventa! dai a gente finge que acredita.

  • Augusto

    Sou de Goiânia, 1 milhão de habitantes. A mesma coisa que Sampa tem, cine porno, casa de swing…o ser humano é isso, agora se a administração é uma droga e o lugar é imundo, bom as ruas de Sampa também são porcas e imundas, isso quer dizer que talvez todos nós devamos ser educados….

  • Jerome J. Cruz

    São Paulo é verdadeiramente uma metrópole. Uma cidade fascinante. Quem deseja este tipo de diversão deve ir sem culpa. Basta praticar o sexo seguro.

  • Roger

    Sou frequentador e, acredite, você não viu nada. Sabe o que é pior? Os cinemões viciam, assim como uma droga.

    Parabéns pelo texto.

  • Lagartão

    Eu já fui em um cinema porno aqui em Campinas chamado Windsor.
    Um cara entrou com a mulher dele, ela era gostosinha, peituda, aparentava uns 34 anos, estava só de top e sainha sem nenhuma lingerie.

    Foi uma tarde de quinta feira e tinha só mais 4 caras no cinema, o homem passava com a mulher levantava a saia dela passando a mão na bunda dela para excitar os caras, 2 eram gays e não deram bola, eu e os outros 2 juntamos ao redor da moça e começou a farra.
    O marido tirou a bermuda e ficou sentado se punhetando enquanto abusavamos da mulher dele.
    Chupamos e comemos ela(com preservativo) de todos os jeitos.
    Ficamos quase 2 horas brincando e o marido só assistindo, foi incrivel.

  • Pingback: [18+] O cinema pornô abandonado | PapodeHomem

  • Maria Rubel

    Nao conheço nada de S.paulo + essas coisas devem rolar em quase todo lugar , sou do interior + nao sou puritana .Nunca fui num lugar desses + ja vi filmes com o marido bem no estilo , dizem q. sexo bom e sexo sujo , no bom sentido, aquele sem tabu , sem frescura … mulher q. fala q. e liberal + tem nojo disso e daquilo , alguem disse ; nao sei quais tipos de pessoas frequentam esses lugares , morro de curiosidade etc… entao vai la , deixa de hipocrisia , querendo ser santinha do pau oco … sinceramente gostaria de viver num lugar sem preconceitos , sem julgamentos , as pessoas sao o q. sao, nao sabemos o q. viveram em suas vidas , pelo q. passaram , enfim , sei q. nao sou liberal dessa forma , fui criada com bastante repressao + odeio falso moralismo .Sou encantada pelo sexo com gosto e seduçao , levada por alguem q. me enlouqueça e me faça explodir de tesao ! + procuro entender a necessidade alheia de vender sexo por ninharias … correndo riscos e abusos …+ q. a vida seja preservada . Tmb acho q. o sentido prostituta no texto seja tanto no sentido masculino e feminino, pois ambos se prostituem. Texto otimo !

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5402 artigos
  • 655488 comentários
  • leitores online